Topo

Rob Halford critica direita nos EUA por ataques a LGBTQs: "Medievais"

Rob Halford, vocalista do Judas Priest, em apresentação em Las Vegas, nos Estados Unidos - Ethan Miller/Getty Images
Rob Halford, vocalista do Judas Priest, em apresentação em Las Vegas, nos Estados Unidos Imagem: Ethan Miller/Getty Images

De Universa, em São Paulo

22/10/2019 11h44

O vocalista Rob Halford, do Judas Priest, concedeu entrevista ao site "Blabbermouth" e explicou como é ser uma celebridade gay nos Estados Unidos em um momento que a população parece avançar cada vez mais em direção a uma ideologia conservadora e de direita.

"Eles estão aprovando leis aqui onde, se você é gay, você pode perder o emprego caso as pessoas que dirijam a empresa tenham uma religião que não aceite pessoas como nós. Isso é horrível. A América deveria ser a superpotência líder do mundo e algumas dessas coisas são medievais. Não é um país onde você se sente especialmente seguro, e acho que me sinto menos seguro agora. Você está ciente de que, andando no supermercado, pode levar um tiro. Mas tento não deixar essas coisas se intrometerem em minha vida. Os políticos, a mídia, querem que você fique com medo e eu me recuso a ficar", declarou Halford.

Esta não é a primeira vez que Halford lamenta a postura do governo Trump com relação aos direitos LGBTQ. Em 2018, o cantor já havia demonstrado sua insatisfação em entrevista concedida à "Pioneer Press".

"Eu sabia que era gay quando tinha 8 ou 9 anos. Passei por muita coisa. Quando eu era adolescente, eu pensava que, quando eu ficasse mais velho, tudo isso seria esquecido, a cor da sua pele, sua orientação sexual, sua religião. Garoto, eu estava errado", analisou Halford, que continuou:

"Com o governo atual, não parece particularmente saudável no momento", continuou ele. "Por outro lado, (muita coisa mudou) para que possamos alcançar esse nível de igualdade. Ainda há muito mais a ser feito e está levando uma eternidade. Às vezes é como 'um passo à frente, dois passos para trás'. Mas esse tipo de desafio só nos fortalece, sabe?", concluiu o músico.

Diversidade