Topo

Inspira

Ideias para uma vida mais plena


Premiada na ONU, capitã brasileira cobra mais mulheres em missões de paz

ONU
Imagem: ONU

Carlos Madeiro

Colaboração para Universa

21/10/2019 04h00

A capitã de corveta Marcia Andrade Braga é uma referência internacional em missões de paz no que se refere a ações de gênero. Em março, ela recebeu o prêmio "Defensora Militar da Igualdade de Gênero da ONU [Organização das Nações Unidas]", em Nova York, pelo serviços realizados na Missão de Paz das Nações Unidas na República Centro-Africana.

Marcia atuou no país como assessora militar de gênero, onde teve um trabalho de destaque, reconhecido pela ONU. Para Universa, Márcia conta que encampou uma causa: quer mais mulheres entre as "boinas azuis".

"Para se ter uma ideia, na minha missão havia apenas 3,7% de mulheres. A gente conseguiu um pouco mais, por exemplo, em termos de observadoras ou oficiais de staff —aí chega-se a 11%. Mas nos contingentes, nos batalhões de infantaria, onde eu preciso de mulheres para interação com as populações locais, eu tenho esse número muito baixo", afirma.

A queixa de Marcia foi dita no plenário da ONU para os ministros de Defesa do mundo que lá estavam. Ela disse que equipes com mulheres dão mais resultados e são mais eficientes. "Não é somente uma questão de igualdade de gênero, mas de buscar a efetividade. A partir do momento que mostrei, todos entenderam. Meu trabalho teve uma projeção muito grande e fico feliz porque ajudou muito a mostrar a importância das mulheres nas missões", diz.

Marcia levou como exemplo os resultados na República Centro-Africana, onde áreas com mulheres militares tinham mais interação com a população.

"Um exemplo que dou é de uma comunidade na República Centro-Africana onde havia um destacamento só de mulheres para patrulhas. Ele ia a mercados, falava com mulheres, homens, crianças. E essa área não teve ataque e tivemos apenas um caso de violência sexual em um ano — e que não foi relacionada ao conflito, mas à questão familiar", conta.

A capitã de corveta Marcia Andrade Braga em campo - Arquivo Pessoal
A capitã de corveta Marcia Andrade Braga em campo
Imagem: Arquivo Pessoal

Ataque e quase morte

A República Centro-Africana é um país com vários conflitos civis entre os 4,9 milhões de habitantes. Segundo a ONU, o governo e grupos armados assinaram um acordo de paz em 6 de fevereiro após um longo processo de diálogo. O conflito começou em 2012 com combates entre a maioria cristã da milícia anti-Balaka e a principal coalizão rebelde muçulmana do Séléka. Por conta disso, duas em cada três pessoas no país se tornaram dependentes de assistência humanitária.

A militar brasileira chegou ao país no dia 24 de abril de 2018, com um período de um ano na missão. Mas por muito pouco a viagem não terminou em tragédia logo no início.

"No dia 1º de maio, estava procurando uma casa para morar e sofremos uma emboscada. Nosso carro foi apedrejado, o coronel que dirigia perdeu o controle do veículo e batemos contra uma árvore. Ele ficou muito ferido, precisou ser repatriado. Eu também fiquei muito machucada. Passei por uma cirurgia, por pouco não morrermos", lembra.

"O ataque veio após uma operação mal sucedida da missão. Um grupo da população quis mostrar a insatisfação contra a força", explica.

Sem informações no começo

Marcia chegou ao país africano com missão de fazer ações de proteção e prevenção de violações de gênero e de crianças, mas logo se deparou com um problema: a falta de informações. "Foi solicitado que eu fizesse um plano de ação, mas não tinha nada, nenhum documento. Lá já estava há um tempo sem assessor de gênero. A atividade não estava profissional", recorda.

Para sair do apagão de informações, o primeiro passo foi ter pessoal para atuar no grupo. "Só tinha eu na função, e precisava pessoal para os setores e os batalhões. Fiz um pedido para militares, e também fiz um documento para cada comandante de batalhão. Montei um plano de contingência para a situação emergencial", diz.

Após receber o pessoal, o segundo passo foi treinar toda equipe para que entendessem o objetivo da missão "Era importante entender como conflito estava afetando cada um dos grupos: homens, mulheres, meninos e meninas. Cada um é afetado de maneira diferente. Buscava esse entendimento, e ao mesmo tempo levava a informação para o trabalho militar, para o planejamento para ver quais áreas eram mais sensíveis e quais grupos estavam mais vulneráveis", conta.

Outro ponto ressaltado pela militar era a observação do ambiente. "Fazia patrulhas diurna e noturna para que pudesse ver aquela população atingida. Via várias mulheres e crianças o tempo todo nas estradas, e então comecei a entender porque havia um número tão alto de violência sexual relacionada ao conflito", diz. "Mas por que elas estavam nas estradas? Porque plantavam o que comiam, e muitas vezes andavam 15, 20 quilômetros até as plantações. Além disso tinha que buscar água, lenha para o fogo. Era um movimento que gerava grande vulnerabilidade."

Arquivo Pessoal
Imagem: Arquivo Pessoal

Melhora na comunicação

Dentro da força de paz, um problema enfrentado era a comunicação falha. "Muitas vezes recebia relatórios dizendo que um ataque deixou 20 civis feridos. Ok. Mas quantas eram mulheres? Quantos homens? Quantas crianças? Precisava entender que tipo de violência era, se era baseada em gênero, voltada para as crianças. Muitas vezes as pessoas da missão não se falavam, como o componente militar não trocando informações com componentes civis", explica.

Márcia, então, conseguiu implementar um método que colocou a perspectiva de gênero no trabalho em todos os documentos. A partir daí veio então um passo que classifica como fundamental para o sucesso das missões: as patrulhas mistas.

"Eu tinha um número absurdo de violência sexual relacionado ao conflito. Eram mulheres muito vulneráveis, que muitas vezes não tinham voz naquele local. E eu precisava ter patrulhas mistas para mulheres pudessem ouvir as mulheres locais. Ficaria muito difícil para uma mulher vítima de violência sexual falar para um homem. Eram comunidades simples, fechadas, de religião cristã ou muçulmanas", diz. "Sem contar que as patrulhas mistas tiram o caráter digamos ofensivo daquele trabalho, e assim eu trazia aquela população para mais próximo da força", explica.

Engajamento fundamental

O último passo com a inclusão de gênero no trabalho foi conseguir o engajamento com a população local. Foi com a confiança das pessoas que a força passava a conseguir, por exemplo, informações sobre grupos armados que agem no país.

Com as informações em mãos, a militar fez projetos de prevenção às violações. "Lá falta energia elétrica e encanamento nas localidades, e é no escuro que as pessoas vão buscar água, acessar plantações. Isso as deixa muito vulneráveis. Queria projetos de instalação de bombas de água próximas às casas, iluminação com painel solar e com isso diminuir o número de violações", lembra.

Como legado após um ano no país, ela diz que deixou tudo documentado, desde relatórios com diretivas a viagens feitas. "Meu trabalho não foi feito pra terminar quando a comandante Marcia terminasse a missão, ele segue", comemora.

Hoje, Marcia atua como encarregada do Centro de Operações de Paz de Caráter Naval. Lá, a Marinha tem o primeiro estágio para mulheres das Forças Armadas. "Estou conduzindo o terceiro estágio, e a ideia é que ele passe informações sobre as missões de paz da ONU, que as mulheres possam entender o que é uma missão, sem ser uma visão romântica, distorcida, mas sim real de como é", diz.

Inspira