Topo

Marido confessa ter matado e enterrado mulher dentro da própria casa em MG

Corpo estava enterrado dentro de uma cova na área de serviço da casa - Divulgação/Polícia Civil-MG
Corpo estava enterrado dentro de uma cova na área de serviço da casa Imagem: Divulgação/Polícia Civil-MG

Daniel Leite

Colaboração para o UOL, em Juiz de Fora (MG)

17/10/2019 22h27

O corpo de uma mulher de 36 anos foi encontrado hoje em Governador Valadares (MG), a 319 km de Belo Horizonte, enterrado na casa onde morava, em uma cova coberta por cimento, na área de serviço. O local estava azulejado e era frequentado normalmente pelos outros moradores.

De acordo com a Polícia Civil, o marido de Michele Rosa de Jesus confessou ser o autor do assassinato e da ocultação do corpo, localizado pelos investigadores durante cumprimento de um mandado de busca e apreensão.

Michele estava desaparecida desde agosto e o sumiço foi registrado por seu pai. A família dela suspeitou do marido, de 35 anos, por ele não reclamar da ausência da mulher e não avisar os parentes nem a polícia.

Um irmão do assassino confesso, de 27 anos, e uma sobrinha de Michele, de 17, também são suspeitos de participação no crime. Nenhum dos três teve a identidade divulgada.

Quando a investigação começou, todos foram chamados para depor. Na época, o marido negou saber do paradeiro da esposa.

A polícia notou versões contraditórias entre ele, o irmão e a adolescente, e passou a tratá-los como principais suspeitos e a desconfiar de algum problema íntimo do casal.

De acordo com a delegada do caso, Michele descobriu uma traição do marido com a sobrinha, que também morava na casa onde foi achado o corpo. A menor teve um filho e a mulher que viria a ser morta passou a desconfiar de o pai ser o marido dela.

"Ela [Michele] estaria suspeitando de que o pai da criança seria seu marido", disse Liliam Fernandes de Cales, da delegacia especializada em crimes contra a vida de Governador Valadares.

Divulgação/Polícia Civil-MG
Imagem: Divulgação/Polícia Civil-MG

Redes sociais da vítima continuaram ativas

Outra pista levantada pelos investigadores foram as redes sociais da vítima, que continuavam sendo atualizadas de dentro da residência, de onde os suspeitos enviavam mensagens para os filhos de Michele.

"Através das redes sociais da vítima, os suspeitos mandavam mensagens para os filhos dela, dizendo que estava tudo bem, para que não se preocupassem", afirmou a delegada.

O irmão do marido de Michelle e a adolescente foram autuados por ocultação de cadáver e ainda serão investigados por possível participação no assassinato. Já o assassino confesso deverá responder pela ocultação do corpo e por feminicídio.

Os dois adultos estão presos e a adolescente será ouvida mais uma vez para a polícia avaliar se requisita ao Ministério Público medidas voltadas a menores de 18 anos.

Violência contra a mulher