Topo

Jennifer Aniston revela como #MeToo influenciou série The Morning Show

Jennifer Aniston em entrevista para a Variety  - Reprodução
Jennifer Aniston em entrevista para a Variety Imagem: Reprodução

De Universa

08/10/2019 15h24

Jennifer Aniston está perto de estrear novamente em uma série, Jennifer Aniston deu uma longa entrevista para a revista "Variety" para dar detalhes sobre "The Morning Show", que chega à Apple TV+ em novembro. A atriz aproveitou para revelar como o movimento #MeToo influenciou na atração.

A série foi praticamente escrita quando o movimento veio à tona. De acordo com a atriz, o trabalho foi completamente refeito.

"The Morning Show" é baseada no mundo dos programas matinais dos Estados Unidos e passou por um longo processo de mudança após o escândalo envolvendo o apresentador Matt Lauer vir à tona. Em 2017, ele foi acusado de comportamento sexual inadequado após ser denunciado por uma colega e acabou demitido do "Today".

"O show já havia sido escolhido. Já havíamos vendido para a Apple. Então, quatro meses depois, toda a merda veio à tona e, basicamente, tivemos que reescrever desde os rascunhos", disse.

Na série, a história começa quando Mitch Kessler (Steve Carell), âncora de uma atração matinal, é demitido após o surgimento de alegações contra ele durante o movimento #MeToo. Nesse cenário, Alex Levy (Jennifer Aniston), antiga parceira de bancada de Kessler, precisa encarar diversas situações no ambiente de trabalho.

Jennifer Aniston estudou o "Today" e encarou uma extensa preparação para desenvolver sua personagem.

"Eu fiquei com uma preparadora nomeada Nancy Banks. Nós lemos, pensamos sobre a personagem, sobre como ela seria fisicamente. Foi praticamente uma terapia", afirmou.

A atriz aproveitou para falar sobre a força do movimento. Para Aniston, o #MeToo fará uma mudança permanente em Hollywood.

"Eu acredito absolutamente. Eu acho que há espaço para melhoras, mas acho que esse tipo de comportamento acabou. Todo mundo tenta descobrir quais são as novas regras. A série mostra todos os lados, como são as coisas nos bastidores durante o #MeToo", contou.

Aniston também se disse inspirada pela onda feminista que tem tomado conta de Hollywood nos últimos tempos.

"Você precisa fazer as pessoas acreditarem que não existe mais escolha. Isso é como o novo normal deve ser. Eu acho que vai ficar cada vez melhor. Nosso show tem seis produtoras mulheres. Como mulher que está no ramo há 30 anos, tem sido incrível ver isso e aqui estamos", analisou.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Direitos da mulher