Topo

Mães e filhos

Vídeo de Tatá Werneck mostra que grávidas precisam de cuidados especiais

Tatá Werneck está na reta final de sua gravidez - Reprodução/Instagram
Tatá Werneck está na reta final de sua gravidez Imagem: Reprodução/Instagram

De Universa

05/10/2019 15h14

Num vídeo publicado em sua página, Tatá Werneck precisa da ajuda do amigo para subir uma enorme escadaria. Grávida da primeira filha, fruto de seu relacionamento com o ator Rafael Vitti, a artista visivelmente tem dificuldades em lidar com o barrigão de oito meses, apesar de rir da situação. Mas cenas como essa são a prova de que a gestante precisa de prioridades como passar na frente em filas de bancos e supermercados, assim como se sentar no transporte público.

Universa conversou com especialistas sobre esses cuidados especiais e separou uma lista de artistas que, como Tatá, também dividem suas experiências durante a gestação com os fãs.

"Apesar de não estarem doentes, as grávidas estão em uma situação especial por conta das modificações que acontecem no corpo durante a gestação", diz o ginecologista Francis Helber do HCor (Hospital do Coração), de São Paulo.

Segundo o ginecologista e obstetra Kleber Cassius Rodrigues, do Hospital e Maternidade São Luiz Itaim, também na capital paulista, as grávidas também devem ter direito a poltronas e filas preferenciais devido ao desgaste físico causado pela gestação. "Não é apenas o peso que aumenta, mas há toda uma alteração osteoarticular e vascular que acarreta uma sobrecarga", afirma.

Falta de equilíbrio

Para Helber, o ganho de peso excessivo em pouco tempo está entre as transformações que deixam as gestantes mais desconfortáveis. O aumento começa a ocorrer a partir da segunda metade da gravidez, com mais ênfase no último trimestre.

"Por causa desse ganho de peso, e também pela sua distribuição mais na região abdominal, o centro de massa da mulher muda. Com isso, a forma como ela anda e fica em pé e parada se modifica", diz. As alterações mais evidentes são na forma de andar: com os pés mais afastados um do outro e abertos.

"Por causa dessas adaptações repentinas, o risco de queda aumenta ao caminhar. Além disso, a dificuldade de permanecer em pé, em equilíbrio correto, também pode levar a traumas para a mãe e o bebê", afirma o ginecologista do HCor.

Dores nas costas

Segundo o ginecologista Reynaldo Augusto Machado Junior, do Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo, além de dificultar o equilíbrio, o peso mais elevado e o aumento do abdome aumentam a possibilidade de a gestante sofrer com dor lombar.

"O problema se acentua principalmente na 20ª semana, que é quando todos percebem que a mulher está grávida", afirma.

Risco de traumas

Quem anda de transporte público bem sabe que, em horários de pico, é comum que as pessoas fiquem espremidas dentro do veículo. "As pessoas empurram no metrô e no ônibus, e a gestante precisa evitar traumas", diz Machado Junior.

De acordo com ele, como durante a gravidez há maior produção de hormônios, principalmente de progesterona, as articulações ficam embebidas por líquidos e são mais suscetíveis a traumas, o que justifica evitar que a mulher fique muito tempo em pé.

"Isso já acontece logo no início da gravidez. Mas, quanto mais pronunciada a gestação, pior, acentuando-se no quinto mês", afirma o ginecologista do Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo.

Pressão baixa e hipoglicemia

Nos primeiros seis meses, é comum que a grávida se sinta mal e desmaie. Isso porque, nesse período, a pressão tende a ficar mais baixa, assim como o nível de glicose.

"Se a grávida fica sem comer por duas horas, a glicose já chega a um nível como se estivesse em jejum, e, com isso, ela passa mal", diz Machado Junior.

Segundo ele, nas primeiras 26 semanas de gestação, a tendência a ter hipoglicemia é maior. Já a pressão, que costuma ficar mais baixa na gravidez, normaliza-se apenas na 28ª semana.

Circulação do corpo alterada

Rodrigues ressalta que o volume de sangue que circula no corpo da mulher aumenta durante a gestação.

De acordo com Helber, mesmo durante o desenvolvimento de uma gravidez normal, a circulação sanguínea pode ficar mais devagar, por conta da ação hormonal e do ganho de peso. Por isso, durante o último trimestre de gravidez, o ideal é mudar constantemente de posição. Segundo Rodrigues, ficar muito tempo em pé provoca um acúmulo de líquidos nos membros inferiores, o que pode causar dor e aquela sensação de pernas pesadas.

Fator emocional

Além da sobrecarga na lombar, do acúmulo de líquidos nos membros inferiores e nas articulações e da maior chance de ter uma sensação de desmaio, há outra transformação importante na gravidez que justifica o direito de assentos e filas preferenciais: a instabilidade emocional. Por conta das alterações hormonais, a gestante se irrita e chora mais facilmente, por isso é melhor evitar situações de estresse, como filas.

"Essa série de alterações que acontecem no corpo da gestante, associada ao fator emocional, justifica o direito da gestante de ter atendimento preferencial", afirma o ginecologista do Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo.

"Continuo achando maravilhoso estar grávida"

Numa bela foto com a praia ao fundo, a atriz Gisele Itiê alerta: "Nesta imagem não vemos os enjoos, enxaquecas, gengiva sangrando, alergias na pele, dor na bacia, seios cansados de doer, hormônios gritando (...) e o medo de criar um filho neste mundão 'esquisito'". Mas logo depois, a artista, que está gravida do primeiro filho com o ator Guilherme Winter, complementa: "É, esse momento é realmente mágico. Porque mesmo com tantas mudanças eu continuo achando maravilhoso estar grávida. Sim existe a dor mas também existe amor".

"Sensações diferentes"

Também grávida pela primeira vez, Andressa Miranda recentemente falou em seu Instagram sobre as mudanças pelas quais tem passado. Ela conta sobre a ansiedade e aponta mudanças no corpo. "Tantas sensações diferentes que estou aprendendo a lidar, deixando de ser apenas menina mulher para me tornar, menina/ mulher e mãe. Um desejo cada dia mais forte de ser melhor! De me superar", escreveu ela na legenda da foto. Bento é aguardado por ela e por Thammy Miranda para dezembro.

"Cuide da sua respiração"

Já a atriz Letícia Colin, que deve dar à luz na última semana de novembro, sempre compartilha com seus seguidores como vem se cuidando na primeira gestação. "Cuide da sua respiração, ela ampara sua alma e fortalece seu corpo! Precisamos respirar. Olhar pra si e ser quem se quer ser hoje, agora", escreveu ela numa foto em que aparece meditando.

Mães e filhos