Topo

Sexo

Sexo químico: o que faz a pessoa só transar sob efeito de álcool e drogas

Prática representa "risco duplo", explica psiquiatra e sexólogo Saulo Ciasca - Getty Images/iStockphoto
Prática representa 'risco duplo', explica psiquiatra e sexólogo Saulo Ciasca Imagem: Getty Images/iStockphoto

Nathália Geraldo

De Universa

28/08/2019 04h00

Você já deve ter ouvido a expressão "sexo, drogas e rock and roll" como afirmação relacionada a uma vida desregrada e comportamento de liberdade e rebeldia. Eliminando o "rock and roll" da equação, eis a definição de um comportamento sexual alvo de preocupação de especialistas: o sexo químico, chemical sex ou chemsex, em inglês.

O termo significa transar sob o efeito de substâncias psicoativas -- ou seja, que agem no sistema nervoso central -- tanto para ampliar as sensações eróticas, quanto para que a relação sexual dure mais. Por essa razão, especialistas explicam que o comportamento é comum em festas sexuais ou sessões de sexo em grupo.

A prática coloca o indivíduo em situação de duplo risco, como explica o psiquiatra Saulo Ciasca, psicoterapeuta especialista em sexualidade humana, identidade de gênero e orientação sexual. "A pessoa está exposta tanto ao risco do uso da droga quanto a de ter sexo vulnerável".

"Tesão aflora, experiência de êxtase", diz publicitária

A publicitária Fernanda*, 31 anos, é adepta do uso de maconha e de LSD para transar com sua parceira, Paula*, assistente social, 34 anos. "Descobrimos isso por acaso, há uns três anos. Com a maconha, ficamos mais sensíveis ao toque e, assim, o tesão aflora", explicou para Universa. "O doce (LSD) traz outra sensação: o corpo fica mais sensível, o sexo dura mais e temos uma experiência de êxtase, em transe mesmo".

Ela descreve a mudança que sente em seu próprio corpo durante o sexo químico. "Sinto meus músculos muito mais relaxados com a cannabis. Já com o 'doce', eles ficam mais rígidos, então o contato entre a gente precisa ser um pouco mais forte".

O chemsex é um comportamento sexual mais difundido fora do Brasil do que por aqui. O primeiro estudo sobre o tema, por exemplo, foi promovido pelo London School of Hygiene & Tropical Medicine, em 2014, do Reino Unido.

Primeiros estudos foram feitos entre homens gays e bissexuais do Reino Unido - CarlosDavid.org/iStock
Primeiros estudos foram feitos entre homens gays e bissexuais do Reino Unido
Imagem: CarlosDavid.org/iStock

Na publicação, os pesquisadores apuraram inicialmente que o comportamento é mais comumente identificado em homens gays e bissexuais. Tratando o tema como caso de saúde pública, a entidade disse que a associação direta entre uso de drogas e transmissão do vírus HIV entre homens que se relacionam com homens pode ser "subjetiva", mas levantou que "homens que usam uma variedade de drogas durante o sexo tem maior probabilidade de relatar o envolvimento em comportamentos de risco de transmissão do HIV do que os homens que não o fazem".

Drogas, mistura com Viagra e 'sexctasy'

Entre as drogas mais comuns, foram citadas a mefedrona, GHB/GBL (ou ecstasy líquido), cristal de metanfetamina, quetamina e cocaína. Todas são drogas psicoestimulantes.

Ecstasy (que, para os adeptos da prática, dá origem ao termo 'sexctasy'), maconha e a mistura de drogas com Viagra -- que pode levar a infarto fulminante, como pondera Saulo Ciasca -- também são tipos de substâncias comuns entre praticantes do sexo químico, em busca de mais prazer.

Álcool em doses menores, para desinibir e despertar o desejo sexual, ou em doses maiores, "que podem debilitar a percepção de risco, gerar depressão, e em alguns casos, até problemas de ereção e dificuldade de orgasmo feminino e masculino", diz Ciasca.

Por alterarem o nível de consciência e o funcionamento cognitivo da pessoa, há a associação dessa prática com os riscos de se fazer sexo desprotegido, explica o psiquiatra.

"Via de regra, todas acabam delimitando a percepção de risco da pessoa, que acaba se expondo a situações que a deixam vulnerável", explica o psiquiatra. "Estamos falando de doenças, infecções sexualmente transmissíveis, gravidez indesejada, e também de componentes emocionais. As pessoas podem se machucar ao fazer coisas que, se estivessem sóbrias, não fariam".

Saulo aponta ainda que o uso das substâncias psicoativas com Viagra é uma prática preocupante.

"Nenhum médico recomenda o uso de qualquer droga, porque, de fato, não é saudável. A junção da substância com o remédio, porém, pode provocar insuficiência cardíaca, infarto fulminante, arritmia. A pergunta que fazemos é: será que vale a pena usar mesmo assim?".

Se o comportamento começou a ficar popular entre homens, hoje já se expandiu para experiências heterossexuais, segundo o psiquiatra Marco Scanavino, coordenador do Ambulatório de Impulso Sexual Excessivo e de Prevenção aos Desfechos Negativos Associados ao Comportamento Sexual, do Instituto de Psiquiatria da USP.

"Ao praticar sexo químico, a pessoa pode desenvolver uma preferência muito forte por fazer sexo sob efeito da droga, e começa a ter dificuldade de se engajar na relação sexual sem o uso disso".

Há vários fatores relacionados ao comportamento sexual de risco, baseados nos estudos iniciais. "Há uma associação a pessoas que tenham sofrido abuso sexual na infância, que tenham elevados níveis de homofobia internalizado e que apresentem sintomas de depressão", detalha Scanavino.

Sexo sóbrio

'Chemsex' pode expor praticantes a relações sem uso de preservativo - ComicSans/iStock
'Chemsex' pode expor praticantes a relações sem uso de preservativo
Imagem: ComicSans/iStock

Preocupada com a popularização do chemsex entre pessoas da comunidadade LGBT, a Fundação LGBT, em Manchester, do Reino Unido, promove campanha de conscientização sobre redução de riscos entre os participantes e incentivo à prática do sexo sóbrio.

Entre as orientações de redução de risco para quem quer fazer sexo químico estão:

  • Ser assertivo a respeito do uso de preservativo na relação sexual;
  • Não compartilhar agulhas para injetar drogas, para evitar a transmissão de vírus HIV e outros vírus;
  • Tomar Prep (Profilaxia Pré-Exposição ao HIV);
  • Fazer regularmente teste para Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs).

Fazer sexo sóbrio, de acordo com a entidade, nem sempre é fácil para quem praticou o chemsex por muito tempo. Nesse caso, as dicas são:

  • Identifique seus gatilhos, lugares e pessoas que se associem ao desejo de usar drogas/álcool;
  • Explore o sexo por conta própria, pensando sobre o tipo de sexo que deseja e o que não deseja;
  • Fale sobre sexo em conversas sóbrias, escreva sobre sexo e se comunique com o parceiro sobre o tema;
  • Seja gentil e dê tempo para que a 'transa sóbria' se torne um costume na sua vida sexual.

*Os nomes da entrevistada e da parceira foram trocados por nomes fictícios, a pedido da fonte.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Sexo