Topo

Beleza


Beleza

Produtos de beleza falsificados: por que fazem mal e como identificá-los

Será que vale a pena pagar mais barato por um produto que não é original? - Unsplash
Será que vale a pena pagar mais barato por um produto que não é original? Imagem: Unsplash

Luana Kondrat

Colaboração para Universa

27/08/2019 04h00

O mercado de cosméticos está em crescimento. Segundo dados da Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma), as 25 maiores varejistas do setor movimentaram R$ 4,7 bilhões entre janeiro e março de 2019 -- o que representa aumento de 10,64% em relação ao mesmo período de 2018.

Nesse cenário, versões falsificadas de marcas consagradas aparecem com a promessa de resultados iguais aos dos originais, porém com preços inferiores. Entre os campeões de falsificação estão maquiagens e escovas de limpeza. Mas será que vale a pena gastar menos e comprar um produto que não é original?

"Devemos ter todo o cuidado e orientação quanto aos produtos que utilizamos na nossa pele. Quando não se sabe a origem e a fabricação daquele cosmético, não é possível dar garantias quanto ao efeito esperado na sua utilização", alerta a dermatologista Giovanna Zalla, de Ribeirão Preto (SP). Entenda o que as versões falsas podem causar à saúde e aprenda a identificá-las.

Produtos falsos e genéricos são a mesma coisa?

No mercado é possível encontrar versões genéricas de diversos produtos. Eles são produzidos por empresas sérias, porém sem a mesma tecnologia dos originais. Já os falsificados são fabricados por empresas oportunistas, na tentativa de enganar o consumidor. "De forma geral, o único compromisso que o produto falso tem é o de se parecer com o original apenas na parte externa, porém não em questão de princípio ativo ou tecnologia. Uma vez que você pagou e comprou, não tem com quem reclamar, então o risco é altíssimo", conta o dermatologista Abdo Salomão Jr., de Guaxupé (MG).

Quais os perigos de se usar maquiagens falsificadas?

Produtos falsificados como bases, batons e sombras não trazem composições corretas. Ou seja, o que está descrito na embalagem não necessariamente corresponde ao que foi feito durante a fabricação, diz Abdo. "As versões originais contam com princípios ativos cuja origem é muito refinada, pura e sem contaminação bacteriana. A marca segue um controle de qualidade altíssimo, sendo que o desvio padrão é mínimo", explica.

Não só: produtos falsos podem conter matérias-primas contaminantes, alergênicas, além da presença de chumbo e metais pesados que podem intoxicar o organismo, alerta a farmacêutica Mika Yamaguchi, diretora científica da Biotec Dermocosméticos, de São Paulo. "Os itens desenvolvidos por marcas sérias apresentam corantes e conservantes na dose certa, garantindo que fungos e bactérias não irão se proliferar. Também têm boa espalhabilidade, são cremosos, não quebram com facilidade nem têm odor forte ou rançoso", diz a dermatologista Denise Steiner, de São Paulo (SP).

Escovas sônicas são todas iguais?

As versões verdadeiras do produto têm tecnologias exclusivas que emitem pulsações capazes de penetrar nas primeiras camadas da pele, promovendo limpeza profunda. "Os falsos costumam ter cerdas mais duras, que podem causar danos ao tecido cutâneo, pois removem a oleosidade natural da pele, o que pode estimular o organismo a aumentar a produção de óleo. Sem contar que o paciente pode sofrer com irritações, vermelhidão e até dermatite", alerta Mika.

Os produtos originais são mais macios, feitos de um tipo de silicone que não é poroso, evitando, assim, a presença de micro-organismos. "O material das versões falsificadas pode ter acúmulo de bactérias e ácaros, agravando processos como acne e rosácea", acrescenta Giovanna. Além disso, os produtos originais contam com sistema de indução eletromagnética que os tornam 100% à prova d'água, enquanto os falsificados não têm sua corrente elétrica isolada, podendo causar choques e curtos-circuitos durante o uso, esclarece Bianca Tavares, gerente geral da Foreo no Brasil.

Ela ressalta, ainda, que não há garantia de que o produto falso é tóxico ou não. "As grandes marcas de beleza investem pesado no desenvolvimento de seus produtos. Os lançamentos são submetidos a diversos testes e, se houver algum problema, como alergia ou irritação, o cliente sabe quem procurar", pondera.

O que pode acontecer com perfumes falsos?

Produtos originais são feitos com ingredientes de qualidade, ou seja, que não prejudicam a performance e a agradabilidade da fragrância. Os perfumes falsificados podem desenvolver um rápido cheiro de oxidação, alteração de cor e viscosidade.

"O mais perigoso, no entanto, é o uso de ingredientes fora das normas de segurança, que nem sempre podem ser identificados olfativamente ou pelo aspecto físico, mas que podem desenvolver sérios prejuízos à saúde, como fototoxicidade e sensibilização em uso, ou até mesmo serem potencialmente cancerígenos ou mutagênicos", alerta a perfumista Verônica Kato, da Natura.

Aprenda a identificar produtos falsos

Algumas características típicas presentes em versões falsificadas podem salvar você de cair em cilada. Então, fique de olho:

  • Escovas sônicas falsificadas têm filamentos rígidos e sem a delicadeza necessária para suavizar a limpeza da pele. Ao contrário das originais que, quando colocadas em cima da mesa pulsam sem se mover muito, as falsas vibram e saem do lugar.
  • Ao contrário das versões originais, as falsas não informam o prazo de validade após a abertura.
  • Os produtos originais têm número de série na embalagem -- ele costuma aparecer junto com as informações referentes à empresa, próximo ao CNPJ. Esse número é fornecido pelo Ministério da Saúde e significa que foi aprovado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), ou seja, têm eficácia e segurança comprovadas, explica Denise Steiner.
  • Outra característica que precisa ser observada, segundo a médica, é se a embalagem apresenta as referências do laboratório em que o produto foi fabricado e se existe algum telefone para contato. "Isso dá a possibilidade de o consumidor relatar algum problema ou reação adversa", diz.
  • Cópias de maquiagens famosas costumam ter textura áspera, não tão macia ou amanteigada. "Isso ocorre em formulações de baixa qualidade", observa a maquiadora Priscilla Luna, makeup artist da Urban Decay.
  • É importante observar a fonte usada na embalagem dos produtos: nos falsificados, ela costuma estar distorcida ou com cores saturadas. É melhor resistir a ofertas que parecem incríveis, pesquisar as características no site da marca e fazer a compra por lá.
  • No caso dos perfumes, compre sempre embalagens lacradas. Se o frasco estiver em perfeito estado e a compra ocorrer em lojas especializadas ou na própria loja da marca, dificilmente será um produto falso, conta a especialista Leonora Rocha Lima.