Topo

Diversidade


Iza: "Já tingi lingerie em casa para poder ajustar ao tom da minha pele"

Jacques Dequeker
Imagem: Jacques Dequeker

Gustavo Frank

De Universa

01/08/2019 11h50

Iza é uma das imagens mais fortes quando a questão é representatividade no Brasil. Com shows no país inteiro e no ar na TV Globo como técnica do programa "The Voice", a cantora assume a responsabilidade de ser essa referência para as meninas mais jovens que, assim como ela, não tiveram exemplos para se inspirar quando mais jovens.

"A minha vida pessoal é muito atrelada à vida profissional. Eu tenho uma empresa e é essa empresa sou eu. Não dá para dividir as coisas. Não sinto que seja uma dificuldade [cumprir o papel em levar representatividade], é uma responsabilidade que eu amo porque tudo isso é muito importante pra mim", opina ela a Universa durante ensaio de fotos para a marca Plié Lingerie.

A ausência de referências repercute também na oferta de produtos que contemplasse todos as mulheres, algo que Iza sentiu na própria pele.

Jacques Dequeker
Imagem: Jacques Dequeker

"Não tive problema relacionado ao tamanho, por exemplo, mas sim à cor. Já cansei de entrar em lojas de lingerie pedindo uma cor chocolate e vinha uma coisa muito clara", relembra. "Eu gosto muito de usar transparência e precisava de uma peça do tom da minha pele para que não aparecesse e sempre era difícil. Eu cheguei a comprar uma peça e tingir em casa para ajustar. Me sinto feliz em poder abrir esse caminho".

Para a artista, hoje contemplada por essas peças, a lingerie pode ajudar as mulheres a ganharem autoconfiança e liberdade com seus próprios corpos.

"Eu acho que quando a mulher se sente confortável, quando uma peça foi feita pensando no corpo dela, isso acaba mudando o olhar. É complicado quando você coloca alguma roupa e se sente desconfortável, sente que aquele fabricante não pensou em você, se sente fora de um 'padrão'. É importante que cada mulher se sinta incluída", conclui.