Topo

Alto Astral


Dia fora do tempo: 25 de julho traz uma grande oportunidade de renovação

Meditar na cama/ Meditação - iStock
Meditar na cama/ Meditação Imagem: iStock

Camila Eiroa

Colaboração para Universa

25/07/2019 04h00

Sua vida está muito corrida e você sente que precisa de um descanso? Talvez os Maias tenham uma ótima dica, vinda diretamente do passado. Saiba que, se no seu calendário o dia 25 de julho existe normalmente, no deles não é bem assim. Esse é considerado o Dia fora do Tempo, um momento de pausa, perfeito para reequilibrar as nossas energias e a do mundo. Nada mais apropriado para o momento, né?

Isso acontece porque no calendário maia e no do antigo Egito, o ano começa no dia 26 de julho, data que marca o nascimento astronômico da estrela Sírius, e termina no dia 24 do mesmo mês. O sistema de contar meses e anos se baseia em 28 dias e 13 lunações, por isso o dia 25 fica de fora dessa contagem. Para esses ancestrais, é um momento muito forte de transição, limpeza e purificação.

"Considerando uma contagem de 13 Luas e 28 dias, resultamos em 364 dias e não 365, como nosso calendário conta. Por isso o dia 25 de julho está entre um ano e o outro, após o 28º dia da 13ª Lua do ano atual e antes do 1º dia da 1ª Lua do ano seguinte, como se fosse um salto na contagem do tempo", explica Lidiane Banionis, terapeuta energética e alquimista da consciência.

Segundo Lidiane, quando ficamos conscientes sobre esse dia, começamos a nos abrir para o tempo natural das coisas, nos libertando de limitações impostas pelo calendário Gregoriano. É como se fosse uma tomada de consciência que abre o caminho para que oportunidades incríveis aconteçam.

"Podemos nos conectar com essa energia semanas antes ou no próprio dia 25. Tomar conhecimento da importância disso para o nosso processo faz com que o tempo se torne mais leve e criativo. É uma ótima oportunidade de se conectar com nosso artista interior e com nossa fonte de criação. Assim, a oportunidade de celebrar e recomeçar se faz presente. É hora de reciclar e criar nossa própria realidade", diz.

Mas como se conectar com essa energia?

A terapeuta aconselha que cada um faça seu próprio ritual. Ela lembra que se conectar com a Lua é sempre uma boa pedida e é possível fazer isso sozinho ou em grupo. "Mentalize ou escreva a sensação de estar desperto, a gratidão que você tem pela vida e por experienciar esse salto quântico. Escolha uma boa música e lembre-se de que esse é um momento de extrema conexão com o divino, que tanto nos ajuda e fortalece."

Lidi alerta que podemos sentir sonolentos, tontos, com mal-estar ou vibrando em energias estranhas. É normal, segundo ela, para um dia que marca o fim e o começo de um ciclo. Portanto, é importante procurar ficar leve a todo momento e consciente de que alguns recomeços são bem-vindos e, mais do que isso, necessários.

"Muitos laços energéticos podem vir ao fim, bem como muitos pensamentos e dúvidas podem ser sanados nesse dia. Basta respirar, basta sentir com seu coração. Se começar a se sentir muito estranho ou vibrando de maneira diferente do que está acostumado, não se preocupe. Respire fundo e peça proteção e direcionamento para o universo. É um momento lindo e único, aproveite!", aconselha.

Resultados práticos

Se você está se perguntando qual a vantagem de tirar um momento do dia 25 para meditar, saiba que pode ser uma grande chance de entrar em contato com um sentimento que até então estava difícil de entender. Observar a contagem de tempo de acordo com o Tzolkin, nome que é dado para o sistema das 13 luas, pode abrir a percepção para novas verdades.

"Quando nos sintonizamos a isso, nos tornamos mais respeitosos com nossos corpos e nos sentimos mais parte do TODO. Com esse calendário, restauramos a energia cósmica de nosso corpo e de nossa natureza sagrada. Isso se deve a uma sincronicidade com os ciclos da Lua. Não à toa mulheres se relacionam intimamente com a Lua, assim como animais e plantas. Sincronizar nosso tempo com o tempo do universo nos torna mais semelhantes a esse TODO. Somos a própria natureza em movimento", finaliza a terapeuta.