Topo

Relacionamentos


Relacionamentos

"Transou com meu marido": o que fazer com a irmã traíra como em "A Dona"?

Nathalia Dill e Paola Oliveira são as irmãs Fabi e Vivi em "A Dona do Pedaço" - Globo/João Miguel Júnior
Nathalia Dill e Paola Oliveira são as irmãs Fabi e Vivi em "A Dona do Pedaço" Imagem: Globo/João Miguel Júnior

Luiza Souto

De Universa

18/07/2019 04h00

"Se Caim matou o irmão Abel, imagine o que uma irmã não pode fazer com a outra", comentou uma pessoa num grupo de discussões nas redes sociais, referindo-se a dois personagens da bíblia. É que neste livro, o filho mais velho de Adão e Eva matou o caçula por ciúme. Mas a discussão não era religiosa, não. Era sobre as atitudes de Fabiana (Nathalia Dill), a ex-noviça má que quer tudo da irmã Vivi (Paolla Oliveira), em "A Dona do Pedaço".

A identificação com a vida real é grande. Tanto que logo abaixo desta conclusão bíblica, outra mulher comentou: "Minha irmã mais nova sempre me perseguiu, namorou meu primeiro namorado, casou e teve filho no mesmo ano que eu". E outra emendou:

Minha irmã transou com meu marido. Larguei dele, não falo com ela e reconstruí minha vida com outra pessoa, há quatro anos

Os autores dos depoimentos que estão nessa matéria pediram anonimato.

A personagem da novela, pelo menos até agora, não desejou a morte da digital influencer, não. Mas ela armou para o noivo da irmã, o investigador da polícia Camilo (Lee Taylor), descobrir seu caso com Chiclete (Sergio Guizé). O resultado foi que ele acabou humilhando Vivi no altar. Agora, pensa a irmã má, o caminho está livre para ter um caso com Camilo.

Não faltará muito para as duas personagens se estapearem. Mas, no futuro, como deveria ser para todos, a ex-noviça dirá à irmã que sempre teve inveja dela e de sua família. Pedirá desculpas e terminarão abraçadas.

Globo/João Miguel Júnior
Imagem: Globo/João Miguel Júnior

A psicóloga Iara Luisa Mastine aponta que essa seria uma boa solução mesmo: as duas partes desejarem uma aproximação. Ela é coach de pais e filhos e diz que é importante que as duas contem com um mediador para cada lado entender sua expectativa e necessidade. Ela, que é formada pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) e autora do livro "Coaching para Pais: Estratégias e Ferramentas para promover a harmonia familiar", explica o seguinte:

"É preciso olhar para o comportamento entendendo que, por trás de tudo, há uma necessidade, como sentir que pertence a um lugar. A personagem da novela Fabi provavelmente se sente injustiçada porque a irmã tem tudo. Ela não enxerga que está roubando algo que não devia. Ao contrário: na cabeça dela, ela merece. Em alguns casos, não é ódio nem vingança".

"Minha mãe tem um irmão muito mau. Ela vendeu um terreno dela e se mandou para a Itália, deixando-a sem casa para morar", relatou uma das pessoas entrevistadas.Trabalhar a empatia é uma das habilidades mais difíceis de aprimorar no ser humano, segundo a especialista. Como entender uma pessoa que compartilha do mesmo DNA ficar com seu companheiro ou roubar seu dinheiro?

Iara diz que até em casos mais graves há jeito de reverter, nem que para isso se estude os antepassados desta família. "Quando algo não é bem resolvido, você repete padrões", ela justifica. Mas, de novo, pondera: é preciso que os dois estejam dispostos a acertar essas arestas.

E quando um lado não quer?

"Aí a pessoa que se sente traída tem que se resolver com ela mesma, fazer uma autorreflexão e entender seu ponto de vista sobre aquela relação, sem esperar que o outro mude. Muitas vezes, a pessoa até consegue perdoar, mas não vai mais querer estar ao lado de quem a magoou. E tudo bem, desde que você seja sincera com seus próprios sentimentos".