Topo

Mães e filhos


Mães e filhos

Nos Estados Unidos, mulheres doam e até vendem leite materno pelo Facebook

Getty Images/iStockphoto
Imagem: Getty Images/iStockphoto

Da Universa, em São Paulo

14/07/2019 11h42

Hospitais nos Estados Unidos têm se deparado com a escassez de leite materno em seus estoques. Por isso, passaram a limitar seu uso a casos de bebês prematuros cujas mães não conseguissem produzir leite suficiente, por serem os que mais precisam do estoque para poderem se desenvolver fora do útero. Entretanto, bebês saudáveis com mães que tenham dificuldade em amamentar acabam ficando no fim da lista para receber doações diretas da maternidade.

Isso fez com que mulheres capazes de produzir mais leite do que precisam passassem a estocar o alimento para doar e vender informalmente em grupos no Facebook -- e muitas mães que ainda queriam dar leite materno a seus bebês passaram a procurar o "serviço", segundo reportagem do "USA Today".

A publicação relata que esses grupos em redes sociais já têm milhares de membros: o "Buy, Sell, and Donate Breast Milk" ("Compra, venda e doação de leite materno", em tradução livre) conta com mais de 5 mil integrantes, e páginas como a "Human Milk 4 Human Babies Global Network" ("Rede global de leite humano para bebês humanos") tem cerca de 80 mil curtidas.

A preocupação, porém, é que, para se aproveitar do desespero de algumas mães que procuram alguém que possa fornecer o leite, algumas pessoas acabam fornecendo o serviço cobrando caro: a reportagem encontrou ofertas de 30 ml de leite por US$ 3 (cerca de R$ 11) e até de US$ 16 (quase R$ 60) pela mesma quantidade. Isso significa que muitas famílias gastariam um valor alto demais por mês para conseguir amamentar seus bebês, e que somente quem tivesse uma condição financeira melhor poderia comprar.

O comportamento divide opiniões entre especialistas. O leite doado para hospitais, por um lado, é testado para eventuais infecções que possam estar presentes e armazenado em condições adequadas. Já aquele doado informalmente não passa por testes -- assim, não é possível garantir que a procedência é confiável, o que fez com que a Academia Americana de Pediatria alertasse para os riscos de adquirir leite materno online.

Por outro lado, especialistas ouvidos pelo "USA Today" acreditam que, sabendo deste comportamento, algumas medidas podem ser tomadas para que os bancos de leite materno voltem a encher, uma vez que as campanhas de amamentação têm funcionado nos Estados Unidos.