Topo

Diversidade


"Meu irmão morreu após a demissão por ser gay e agora continuo sua luta"

Reprodução
Imagem: Reprodução

Da Universa

01/07/2019 18h05

Melissa Zarda deu um relato emocionante à revista "Time" em que fala sobre como o fato de o irmão ter se assumido gay causou diversas consequências em sua vida. Agora, após a morte de Don, a jovem trava uma luta na Justiça para honrar sua memória.

Em seu discurso, Melissa conta que Don era sete anos mais velho que ela e sempre foi sua figura exemplar dentro de casa -- ele inclusive a acompanhou no caminho para o altar no dia do seu casamento.

Foi em 2010 que o instrutor de paraquedismo foi demitido após assumir para uma de suas clientes ser gay, a fim de tranquilizá-la sobre sua aproximação durante a prática do esporte.

Don acompanhado de Melissa e seu marido - Reprodução
Don acompanhado de Melissa e seu marido
Imagem: Reprodução

"Em 2010, Don estava vivendo seu sonho como instrutor de paraquedismo no Altitude Express em Long Island, Nova York. Ele constantemente fazia saltos com novos paraquedistas, nos quais eles seriam amarrados juntos. Em um deles, ele mencionou imediatamente a uma aluna que era gay para tentar deixá-la mais à vontade com seu contato físico próximo", conta ela, que depois do salto foi demitido.

Depois disso, Don processou o empregador por discriminação sexual. Em uma batalha legal que se arrastou por quase uma década, dois tribunais deram sentenças favoráveis a Don. Agora, a Suprema Corte concordou em rever decisões tomadas em relação a outras pessoas.

Em 2014, o irmão de Melissa morreu durante um dos saltos que fazia, aos 44 anos. Agora, ela luta para continuar a garantir o direito de outras pessoas da comunidade LGBTQ+ a não sofrerem discriminação.

"O fato de que as pessoas LGBTQ+ temem discriminação apesar de nossas leis de direitos civis está errado. Ninguém deve viver com medo de que suas carreiras e paixões possam ser eliminadas simplesmente por causa de quem elas são. Discriminação, em qualquer sentido da palavra, não deve ser tolerada pela lei", disse Melissa.