Topo

Sexo

12 coisas que você não precisa saber sobre sexo, mas vai gostar mesmo assim

As curiosidades envolvem desde práticas bizarras até costumes antigos  - Getty Images/iStockphoto
As curiosidades envolvem desde práticas bizarras até costumes antigos Imagem: Getty Images/iStockphoto

Priscila Rodrigues

Colaboração para Universa

09/05/2019 04h00

Você sabia que ser vegetariano pode melhorar sua vida sexual? E que é verdade que um pênis pode ficar preso dentro da vagina? Essas e outras curiosidades que você não precisava saber, mas vai adorar, estão listadas a seguir:

1. Oi, sumido!

Embora muita gente trate o assunto como "lenda urbana", muitas das histórias de coisas introduzidas no ânus e depois perdidos são verídicas. A pressão negativa do ânus acaba sugando o objeto. Em relação à vagina, porém, não há o que se preocupar: mesmo que uma camisinha, por exemplo, fique perdida lá dentro e seja necessário ir ao médico para retirar, não tem como algo passar pelo colo do útero.

2. Tofu sexy

A vida sexual dos vegetarianos é mais emocionante. A conclusão é de um estudo publicado na revista acadêmica "Hormones and Behavior". Segundo a pesquisa, pessoas que consomem tofu e vegetais têm uma vida sexual melhor do que os amantes de churrasco. A razão são os hormônios presentes na dieta sem carne, conforme o professor líder do projeto, professor Michael Wasserman, do Departamento de Ciências Ambientais, Política e Gestão da Universidade de Berkeley (EUA).

3. Diferente é hot

Transar de um jeito "fora do comum" --num ambiente incomum ou com algum fetiche, por exemplo-- ajuda a manter a relação a dois mais saudável. É o que provou uma pesquisa divulgado no "Journal of Sexual Medicine", que comprovou que pessoas que curtem um sexo diferente são bem menos neuróticas e ansiosas. Andreas Wismeijer, condutor do estudo e psicólogo da Nyenrode Business University, na Holanda, explicou que os homens e mulheres entrevistados apresentavam grande tolerância à rejeição e possuíam altos níveis de bem-estar e segurança no relacionamento.

4. Involuntários

Os orgasmos, assim como os espirros, não podem ser interrompidos voluntariamente depois de terem começado porque são respostas fisiológicas a um evento. É por isso que dificilmente controlamos nossas reações, tanto em um quanto no outro.

5. Vagina x tubarões

O lubrificante natural feminino na hora do sexo contém sebo, suor, muco cervical, células descamadas, ureia, ácido acético e láctico, álcoois complexos, compostos orgânicos chamados cetonas e esqualeno, uma substância orgânica que também é encontrada no fígado de tubarões e que costuma ser usada na fórmula de cremes hidratantes.

6. Armadilha de pênis

A condição "penis captivus" (pênis cativo, em latim) é rara, mas pode acontecer. Já foi confundida com vaginismo, mas não é nada disso. Trata-se de um episódio raro, mas não impossível de acontecer, em que a contração da vagina costuma ocorrer no momento do orgasmo. O pênis, duro e inchado pelo fluxo sanguíneo, fica preso. Para o casal se "desgrudar", basta esperar alguns minutos: assim que as contrações rítmicas do clímax cessam, a vagina relaxa e libera o amigo.

7. Feira livre do sexo

Criada em 2003, a Folsom Culture é uma feira alternativa de BDSM (sigla para Bondage, Disciplina, Dominação, Submissão, Sadismo e Masoquismo) que acontece em Berlim, na Alemanha, em setembro. São cinco dias de demonstrações fetichistas e sadomasoquistas ao ar livre, em plena rua, das mais pueris às mais radicais --o cartaz da edição de 2018, por exemplo, mostrava a prática de golden shower. Outra modalidade comum é o Fist-Fucking (ou simplesmente Fisting), que consiste na introdução da mão e/ou do braço no ânus ou na vagina como forma de masturbação.

8. Dor de verdade

A alegação masculina de dor nos testículos por falta de sexo nem sempre é fajuta. Se um cara ficar muito tempo excitado sem conseguir ejacular, essa condição incômoda --chamada de "orquialgia" pelos médicos-- pode mesmo acontecer devido ao acúmulo local de sangue.

9. Vagina elétrica

Na hora do orgasmo, as paredes da vagina soltam uma descarga de 244 milivolts. Assim, cinco mulheres gozando conseguem produzir energia suficiente para acender uma lâmpada de um volt!

10. Lavou, tá nova!

Tripas de animais, especialmente cabras e carneiros, eram a matéria-prima básica das camisinhas dos primórdios. Os primeiros preservativos de borracha surgiram por volta de 1870 e eram extremamente grossos. E pior: muito caros. Por conta disso, os homens costumavam lavá-los e usá-los outras vezes. Eles só eram jogados fora quando a borracha arrebentava.

11. Marca registrada

O batom foi uma invenção com finalidade exclusivamente sexual. Era uma maneira de as prostitutas fenícias e egípcias divulgarem seus talentos especiais na cama --no caso, o sexo oral.

12. Alô, quem fala?

Nos anos 1990, antes do boom da Internet e seu fácil acesso à pornografia, os serviços de Disque-Sexo faziam o maior sucesso no Brasil. As atendentes, anônimas, se descreviam conforme a fantasia do cliente e simulavam ações como esfregar a vagina no bocal do telefone (usando esponja de aço!), bater com a mão na mesa para fingir excitação e até simular palmadinhas nos usuários.

FONTES: "O Guia das Curiosas" (Panda Books), de Marcelo Duarte e Inês de Castro; "O Guia dos Curiosos - Sexo" (Panda Books), de Marcelo Duarte e Jairo Bouer; "Parafilias - Das Perversões às Variações Sexuais" (Zagodoni Editora), de Oswaldo Martins Rodrigues Jr.

Sexo