PUBLICIDADE

Topo

Diversidade

Sandra Oh: "Eu admirava as atrizes negras porque eram como eu"

Reprodução/Instagram/Marie Claire
Imagem: Reprodução/Instagram/Marie Claire

Da Universa

12/04/2019 20h25

Sandra Oh já coleciona marcos importantes na carreira. Aos 47 anos, a atriz conquistou o público na pele da médica Cristina Yang, em "Grey's Anatomy". Anos depois foi a primeira asiática da historia de Hollywood a ganhar o prêmio de destaque da BBC America por sua atuação em Killing Eve.

Em entrevista à "Marie Claire", ela revelou que, apesar de todo o prestígio, o começo da carreira não foi fácil e ainda reforçou que parte do desafio de se firmar como atriz veio do fato de ser mulher. "Se você não é branco e se você não é homem, você vai, sem dúvida alguma, carregar o peso de tanto o seu sexo como a sua raça dificultarem seu acesso aos mais diversos papéis", declarou.

No bate-papo, Sandra contou quem eram suas principais referências quando começou a atuar. "Essa pergunta é um pouco complexa porque havia pouquíssimas atrizes [asiáticas] para me inspirar no começo. Eu admirava as atrizes negras porque eu pensava: "Elas são como eu. Não exatamente, mas um pouco como eu". Então eu me inspirava em Angela Bassett em termos de atuação, em Yoko Ono como artista, como ícone. Havia muitas pessoas que eu admirava, mas poucas com que eu me identificava."

No elenco do filme "Meditation Park", a atriz interpreta Ava, a filha de uma imigrante chinesa no Canadá que, aos 60 anos, descobre as possíveis traições do marido e decide dar uma reviravolta em sua vida.

"É um filme com uma história muito sutil. Em muitos filmes, mulheres independentes são mostradas como super-heroínas que lutam contra alienígenas. Nesse, é heroico que Maria aprenda a andar de bicicleta. Eu considero, sim, uma questão de outra geração, mas falando como alguém que tem um passado de imigrante, onde a ideia de servência da mulher era mais forte, acho revolucionário. Pensando em mim mesma como uma mulher de meia idade, sinto que minha independência ainda é pautada por aprender constantemente como me colocar, me expor, entender o que é poder e qual é o meu."

Diversidade