Topo

Mães e filhos

É educar ou invadir? Como pais podem ajudar adolescentes sem virar inimigos

Confissões de adolescentes (1994):  educar jovens não é tarefa fácil faz tempo - TV Cultura
Confissões de adolescentes (1994): educar jovens não é tarefa fácil faz tempo Imagem: TV Cultura

Elisa Soupin

Colaboração para Universa

25/02/2019 04h00

Nervosismo, irritação, sensibilidade, choro, gritos: a adolescência pode ser uma fase de emoções instáveis e intensas, de difícil compreensão para os adultos. Muitas vezes bem intencionados, os pais podem acabar agravando a situação ao tentar dizer para o jovem que o motivo que o aflige não é assim tão grave. 

"As pessoas adultas, às vezes, querem ajudar os adolescentes a colocarem as coisas em perspectiva, e isso é mesmo importante, mas dizer para um adolescente 'para de chorar, você só terminou um namoro', 'você só tirou uma nota baixa' não é o caminho. É preciso respeitar a intensidade daqueles sentimentos comuns à idade", explica a psicóloga Adriana Cabana, do grupo Pronto Baby, especializado no atendimento às crianças e adolescentes.

Nem criança, nem adulta

"Sair da infância para entrar na adolescência é encarar uma explosão de emoções. Primeiro, pela questão fisiológica e hormonal mesmo, tem muita coisa nova acontecendo naquele novo corpo. E também são novas responsabilidades. É um limbo em que você não é mais criança e também não experimenta independência plena, mas tem a possibilidade de andar sozinho, a cobrança da produtividade na escola, novos envolvimentos amorosos. Nesse contexto, uma nota baixa pode levar a uma crise enorme", explica ela. 

"É preciso ouvir para tentar entender o que aquela dor, tristeza ou frustração realmente representa no contexto daquele jovem, se mostrando aberto ao diálogo, e também respeitando os momentos em que o adolescente prefere se recolher, não deseja falar ou escolhe ficar sozinho", afirma. 

Ataques "sem motivo"

Mãe de quatro filhos de 16, 18, 24 e 26 anos, a enfermeira Cristiane, de 44 anos, encontrou dificuldades em lidar com a sua caçula que, no, início da adolescência, apresentou muitas alterações bruscas de humor.

"Ela tinha ataques de irritação, explodia, gritava, falava alto, tinha crises de choro sem motivo, sem conseguir entender, alguma coisa mínima se tornava um descontrole gigantesco. Foi difícil", lembra ela, que buscou acompanhamento psicoterápico para a jovem e passou, também, a rever as suas próprias atitudes. 

"Quando ela tinha esses momentos de crise, eu chamava muito a atenção dela, achava que devia dizer que não havia necessidade de tanto desespero, que era demais. Com o passar do tempo e a terapia, fui me abrindo mais para ouvir e entender o que ela estava passando e por que reagia daquela forma. E também não forço quando ela não quer falar, respeito o momento dela", conta. 

O celular é um inimigo (dos pais)

A relação ficou mais amena com a inauguração do diálogo mais atento. O aparelho celular, antigo motivo de brigas, deixou de ser problema. "A gente conversa muito sobre o uso do celular, ela sabe que o excesso é um vício e prejudica. Passei a controlar o uso dela durante a noite. O aparelho fica comigo e devolvo de manhã. Antes, ela detestava e já brigou muito por isso. Li artigos científicos, embasei para ela entender meu ponto. Hoje, ela vem, deixa comigo, numa boa. Às vezes, ela sabe que usa muito e diz que até preferiria que eu limitasse o uso dela tirando o aparelho, mas acho que ela tem que aprender a controlar, a fazer a gestão própria", diz Cristiane, que libera o aparelho no final de semana. 

É educar ou invadir?

A doutora Adriana explica que buscar entender a dor do jovem é fundamental, mas que os pais também devem saber o momento de intervir, para o bem.

"Existe uma linha tênue. Se o adolescente termina o namoro com alguém que é da escola, é normal não querer ir um dia ou dois dias para a aula se estiver muito triste. Mas não dá para deixar o jovem deitado na cama, ou só na internet, por dias e dias. É preciso fazer com que ele volte à rotina e encare aquela frustração, assim como ele vai ter que encarar outras muitas pela vida. Não dá para seguir faltando às aulas ou mudar de escola por isso", opina. 

Lidar com a erupção de sentimentos adolescentes é um desafio contínuo também para os pais. 

"Quando eu compro alguma coisa, gosto sempre de ler o manual todinho, e as minhas filhas brincam com isso. Eu digo que se elas tivessem manuais, bulas ou modo de usar indicado, eu leria tudo. Mas não têm, e cada uma é uma experiência que a gente só aprende vivendo e buscando entender", diz Cristiane. 

"Assim como o corpo do adolescente às vezes se desenvolve de um modo pouco harmônico, como quando as meninas desenvolvem muito rápido os seios ou quadris, ou os braços e pernas dos meninos crescem demais e demora a harmonizar por um tempo, a expressão dos sentimentos não é diferente, podem ser um pouco disformes nessa idade, mas passa", assegura Adriana. 
 

Mães e filhos