PUBLICIDADE

Topo

Governo da Arábia Saudita defende uso do aplicativo que rastreia mulheres

Mulheres sauditas são rastreadas por maridos por meio de app criado pelo governo, que defende uso do sistema - Reuters
Mulheres sauditas são rastreadas por maridos por meio de app criado pelo governo, que defende uso do sistema Imagem: Reuters

Da Universa

16/02/2019 16h09

O Ministério do Interior da Arábia Saudita divulgou uma nota neste sábado (16), respondendo às críticas contra o aplicativo Absher, criado pelo próprio governo, que seria usado por maridos para controlarem suas mulheres. O senador democrata dos Estados Unidos Ron Wyden e as organizações Anistia Internacional e Human Rights Watch chegaram a pedir que Apple e Google tirassem o app de suas respectivas lojas.

Na nota, a justificativa é de que as críticas não passam de uma tentativa de "desabilitar os benefícios de mais de 160 serviços processuais diferentes" que são facilitados pelo aplicativo e usados por "todos os membros da sociedade, incluindo mulheres, idosos e pessoas com necessidades especiais".

De fato, o Absher oferece uma série de serviços aos cidadãos sauditas, que podem renovar documentos por meio do aplicativo. Mas tem também a função de controlar o uso desses documentos por pessoas que estão sob a guarda do chefe da família, como os filhos menores de idade. No caso da Arábia Saudita, a regra vale também para mulheres -- a "lei de guarda" estabelece que toda cidadã saudita terá um homem como seu "guardião", cargo normalmente ocupado pelo pai ou pelo marido.

Por isso, ao usar o aplicativo, o homem consegue rastrear o uso, por exemplo, do passaporte da mulher. Ele recebe notificações por mensagem de texto com um alerta avisando que uma mulher sob sua tutela está em um aeroporto. Segundo o jornal "The New York Times", o app foi desenvolvido pelo Centro Nacional de Informação, um órgão do governo da Arábia Saudita.

Para o senador Ron Wyden, o país pode até restringir e reprimir mulheres, mas as empresas americanas, no caso da Apple e do Google, "não devem permitir ou facilitar o patriarcado do governo saudita". Por isso, pede que as gigantes da tecnologia tomem alguma atitude frente ao caso.

Direitos da mulher