PUBLICIDADE

Topo

Carreira e finanças

6 táticas para lidar com a fofoca no trabalho - e não ser engolido por ela

iStock
Imagem: iStock

Paula Pacheco

Colaboração para o UOL, em São Paulo

18/10/2017 04h00

Algumas horas de muito trabalho e chega a hora de tomar um cafezinho, bater papo com os colegas, falar sobre amenidades e, é claro, saber das fofocas. Sejamos honestos: quem nunca parou para ouvir ou contar uma maledicência, por mais inocente que seja?

Veja também

Difícil é saber como se comportar no ambiente corporativo quando há uma dessas irresistíveis rodinhas de fofoca. Melhor participar da conversa para se sentir parte do grupo e se informar ou manter distância e focar no trabalho? Veja abaixo seis táticas para lidar com a situação sem se "queimar":

1. Não coloque mais ‘lenha na fogueira’ nem passe a informação adiante

Lembre-se que fofoca tem consequência. Então nada de soltar um comentário maldoso ao ouvir algo sobre aqueles colegas que estão namorando longe dos olhos do chefe, o desodorante vencido do programador ou a roupa extravagante da recepcionista.

2. Tenha cuidado para não cometer deslizes no prejulgamento de alguém

Piadinhas podem ser divertidas e quebrar a sisudez do ambiente corporativo, mas pegue leve, ensina Victor Martinez, supervisor do Laboratório de RH da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM). “Você pode se deixar levar e de repente começar a falar do colega por causa da sua orientação sexual ou da colega que tem uma deficiência. Esse comportamento é inaceitável nas corporações e você pode sair chamuscado”, alerta Marcia Almström, diretora da ManpowerGroup.

3. Nem pense em se fechar em uma bolha para se proteger

“No ambiente de trabalho também é importante se preocupar com a socialização, com o acolhimento, com a sensação de pertencer a diferentes grupos, o que é positivo. Se você se esquivar das conversas pode ficar com o estigma de antissocial”, diz Marcia.

4. Tente manter opiniões mais equilibradas

“Tenha postura positiva, faça ponderações. Mas nada de confronto, isso não ajuda nas relações”, recomenda Marcia. Se dizem que a empresa está prestes a fechar ou que vai fazer um grande corte de pessoal, avalie se aquela informação faz sentido. Por exemplo, a empresa acabou de contratar, mantém benefícios para os funcionários, ganhou prêmios de gestão, fechou grandes contratos -- será que essas são condições de um negócio que vive uma grave crise?

5. Participe das rodinhas de conversa sem levar fama

Para isso é preciso habilidade, adverte Victor Martinez. “Existe uma chance de você perder a credibilidade quando está no meio da fofoca, porque você pode passar a imagem de alguém que repassa informações a quem não deveria. Por outro lado, participar da fofoca é um meio de mostrar que você faz parte daquele grupo, que você é ‘um dos nossos’. Não participar pode dar indícios de que você não é muito confiável. Então avalie o grau de confiança naquele grupo, antes de mais nada. E pense muito antes de fazer um comentário, dar uma opinião sobre algo que foi dito.”

6. Para se posicionar, observe qual é o objetivo de quem está contando a fofoca

Se o boato for sobre a situação da empresa, por exemplo, pode ser um sinal de insegurança e ansiedade daquele funcionário. “Nesse caso, o boato é lançado com o objetivo de ter uma resposta sobre algo que não está às claras. Por exemplo, se vai haver um corte”, comenta Martinez. Mas há também comentários “plantados” por colegas com o objetivo de subir na carreira, ter uma promoção, manipular o ambiente. “Isso é feito por pessoas que fazem uso da politicagem para ter poder, se sentir importante e ‘quebrar’ alguém”, alerta. Seja qual for a fofoca, a dica é observar muito mais do que falar.

Carreira e finanças