PUBLICIDADE

Topo

Relacionamentos

Casão e Baby devem ignorar chacotas e fazer da abstinência sexual um prazer

Casagrande e Baby durante entrevista ao Fantástico sobre seu relacionamento - Reprodução/TV Globo
Casagrande e Baby durante entrevista ao Fantástico sobre seu relacionamento Imagem: Reprodução/TV Globo

Thamires Andrade

Do UOL

03/01/2017 07h03

Juntos desde os Jogos do Rio-2016, em agosto, a cantora Baby do Brasil e o comentarista esportivo Walter Casagrande revelaram, em uma entrevista ao Fantástico, que ainda não fizeram sexo. A cantora é evangélica e está há mais de 20 anos sem ter relações sexuais e afirmou que só pretende mudar a condição após o casamento. Durante a entrevista, o ex-jogador não demonstrou incômodo com a situação ao dizer que o sexo é apenas um dos fatores da relação. Mas ceder em um ponto importante como esse só por um princípio de um dos parceiros não pode ser prejudicial para o casal?

O UOL ouviu profissionais especializados em terapia de casal, sexualidade humana relacionamentos amorosos para saber um pouco mais sobre que efeito pode ter o esforço que Casão tem feito ao respeitar a convicção de sua nova paixão.

Só pra agradá-la e por medo? Sei não...

"Se ele estiver confortável com a decisão, não há problema algum, mas, caso ele esteja cedendo só para ser aceito por ela, nas primeiras brigas já aparecerão cobranças", explica Tatiana Leite, terapeuta de casal e família com especialização em sexualidade humana.

A terapeuta explica que, muitas vezes, cedemos aos companheiros por medo de perder, por estar apaixonado e por querer ser aceito pelo outro, mas é preciso cuidado. "Ceder demais, gera uma expectativa, a pessoa quer trocas e coisas para compensar. Se a cantora estiver compensando essa parte com afeto e carinho e tendo o que ele busca em uma parceira, não será prejudicial, pois o casal estará alinhado no propósito juntos", declarou.

Solução é transformar abstinência em prazer

Já para Thiago de Almeida, psicólogo especializado em relacionamentos amorosos, o sacrífico da abstinência pode ser uma fonte tão boa de prazer quanto o sexo. "Quando o casal teoriza sobre certas 'regras' que adotarão na relação, eles sentem que estão fazendo uma coisa legal. No caso dos dois, se o comentarista tem a percepção de que não fazer sexo com a parceira até o casamento é uma coisa positiva, esse acordo é endossado, ele cumpre o combinado e isso traz prazer", afirma.

Durante a entrevista ao programa da TV Globo, Casagrande afirmou que Baby o ajudou a não ter nenhuma recaída em seu vício em bebidas e drogas, principalmente por jantar com ele todos os dias durante a transmissão dos jogos olímpicos. Para Tatiana, essa é a prova de que é possível existir um relacionamento sem sexo, mas com outros valores de base, como confiança, amizade, companheirismo e cumplicidade. “Não sabemos o que foi o combinado quando os dois começaram a relação, mas se ele estava buscando uma companhia, alguém para estar do lado, o sexo não é tão importante, principalmente nesse início de relacionamento, que é a fase da paixão”, explica.

Dica: ignorem as chacotas

Em uma sociedade tão sexualizada e erotizada, Almeida reconhece que a decisão de Baby e Casa causa estranheza e, muitas vezes, é alvo de gozação. "Os acordos que são feitos sobre o sexo ou não só cabem ao casal e eles podem se unir por outros pontos em comum. O importante é que os dois acreditem um no outro e no cumprimento dos acordos colocados", afirma. A própria cantora afirmou que temia que Casão fosse motivo de chacota por conta da decisão do casal, mas reconheceu que ele teve personalidade para aguentar os comentários.

O casal também anunciou que tem planos para casar ainda neste ano. Na opinião de Tatiana, de fato, parece que adiantar o matrimônio está vinculado com a consumação do ato sexual e, então, o sexo seria um objetivo do casal, que deseja ter essa intimidade. "Muitas religiões, não só a evangélica, usam desse artifício de fazer as pessoas esperarem para, posteriormente, ter um prazer lá na frente, mas é preciso ter cuidado, pois tudo que é extremo é perigoso. Pode haver uma expectativa grande com relação ao sexo e, às vezes, não ser tudo isso, já que o casal nem sempre tem química sexual ou pode ser incompatível na cama",

Relacionamentos