PUBLICIDADE

Topo

Universa

Descobrir o sexo e sentir bebê se mexer emocionam pais na gravidez

Do UOL, em São Paulo

14/08/2016 07h25

A mãe carrega o bebê e experimenta as sensações típicas de cada fase da gestação. Nesse processo, os pais são espectadores, já que não passam por transformações físicas. Mas isso não significa que eles não possam desenvolver um vínculo com o filho que está para nascer e se emocionar em muitos momentos. A seguir, cinco homens relembram acontecimentos marcantes da gravidez.

João Paulo Pedrazzi Rebelato, 30, educador físico

João Paulo Pedrazzi Rebelato com a esposa Rafaela e o filho Enzo, um mês  - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
João Paulo com a mulher, Rafaela, e o filho, Enzo, de um mês
Imagem: Arquivo pessoal

“O momento mais marcante da gestação foi descobrir que o bebê era menino. Dei um berro na sala do médico quando ele deu a notícia e falei: ‘vai chamar Enzo’. Minha mulher topou na hora. Foi uma festa deliciosa. Fui a todas as consultas e exames que ela fez, fiz questão. Queria sentir a evolução do nosso bebê. Escutar o coração dele no pré-natal era sempre especial, o médico dizia que ele pulsava dizendo: 'papai papai papai'.” 

 

Cássio Gusson, 33, assessor de imprensa

Cássio e a filha Joana, cinco meses - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Cássio e a filha, Joana, de cinco meses
Imagem: Arquivo pessoal

“O momento mais emocionante foi quando decidimos não saber o sexo do bebê. Não nos importava se era menino ou menina. Só queríamos que fosse uma pessoa do bem, para quem a gente conseguisse ensinar o respeito aos outros. Insistimos nisso a gravidez inteira, embora muita gente palpitasse a respeito --para elogiar ou criticar. Não nos preocupamos em como montar o quarto ou qual roupa comprar, porque posses e coisas materiais são apenas os meios. O fim é o ser humano.” 

Felipe Anacleto Mendes, 29, técnico em segurança do trabalho

Felipe Mendes com a esposa e a filha Valentiny, um ano e seis meses - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Felipe Mendes com a mulher e a filha, Valentiny, de um ano e seis meses
Imagem: Arquivo pessoal

“No quinto mês de gestação, fomos tentar ver o sexo do bebê e minha filha provou que era misteriosa como o pai e a mãe e não deixou ver nada. Só descobrimos que era uma menina no sexto mês. Estava viajando, minha mulher foi fazer ultrassom acompanhada da minha sogra e minha irmã. Descobrimos ali que Valentiny estava a caminho, mas eu me dei conta mesmo que seria pai quando comecei a montar o quarto dela, porque tudo ali era feito para ela.” 

Marcelo Santos Silva, 49, pintor de construção naval

Marcelo Silva e a filha Anna Clara, um ano e dez meses - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Marcelo Silva e a filha, Anna Clara, de um ano e dez meses
Imagem: Arquivo pessoal

“Foi muito especial receber a notícia que seria pai pela segunda vez. Minha mulher teve alguns problemas de saúde e não pôde engravidar por um tempo. Quando menos esperávamos, aconteceu. Como já era pai de um menino, estava na esperança de uma menina. E calhou que ela veio. Foi uma notícia muito boa. No primeiro ultrassom, chorei, porque foi emocionante demais ouvir o coração dela.” 

 

Celso Barbi, 43, encarregado de manutenção

Celso, a esposa Nirvana e as filhas Mariana 21, Marina, 16, e Clara, nove anos - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Celso, a mulher, Nirvana, e as filhas Mariana 21 anos, Marina, 16, e Clara, 9
Imagem: Arquivo pessoal

“A primeira vez que senti minha filha mexer na barriga da mãe não dá para esquecer. É uma sensação indescritível. Chego a ter inveja das mulheres, pois é uma das poucas sensações que os homens nunca terão. Tinha me dado conta de que seria pai um pouco antes, na primeira consulta do pré-natal, quando o médico nos deixou ouvir o som acelerado do coração do bebê. Depois disso, toda vez que ouvia o coração e via o ultrassom me emocionava. Pensava que ali estava começando uma nova vida."

Universa