PUBLICIDADE

Topo

Universa

Verão urbano de Gloria Coelho ganha toque de humor com tema carnavalesco

Início do desfile é marcado por tons mais sóbrios, como em look apresentado por Marcelle Bittar - Alexandre Schneider/UOL
Início do desfile é marcado por tons mais sóbrios, como em look apresentado por Marcelle Bittar
Imagem: Alexandre Schneider/UOL

CAROLINA VASONE<br>Editora de UOL Estilo

16/06/2007 18h01

"É um Carnaval virtual", definiu Gloria Coelho, sobre a principal inspiração de sua coleção para o Verão 2008. Mais do que virtual, o Carnaval da estilista aparece para agregar uma pitada de humor à alma ao mesmo tempo feminina, forte e urbana da marca.



A medida entre a dureza de elementos militares e masculinos e a leveza dos tecidos transparentes, dos frufrus em vestidos e blusas delicados, novamente alcançou equilíbrio e contrastes que impressionam.



Na primeira parte do desfile, os tons mais sóbrios como preto, gelo, off-white (branco sujo) e verde militar ajudaram a compor a imagem de mulher segura, contemporânea e cosmopolita, aquela que chega e mostra, já na roupa, quem manda, quem sabe do que está falando (com conteúdo para ter o que falar) e quem, além de tudo isso, não abre mão de fazer tudo isso com feminilidade. Para mostrar tudo isso, em resumo, numa roupa, a que abriu o desfile: uma versão de trench coat com lapela dura e mais quadrada e recortes com mistura de transparência, que, nas costas, deixava a peça de origem militar e masculina muito sexy.



Essa mesma mistura de tecido de alfaitaria com transparência apareceu numa sequência de peças estruturadas, com ênfase em manguinhas bufantes, bolsos militares, zíperes. Destaque também para as calças estilo saruel e também estilo culote (volumosas no quadril, afuniladas na perna) também com tecido e bolsos de alfaiataria.



Na segunda parte do desfile, o Carnaval. As máscaras, que apareceram já nos pés das modelos desde o início da apresentação, em sandálias rasteiras produzidas, aliás, pela mesma empresa que fez os sapatos da linha de Kate Moss para a Topshop, subiram para os vestidos, em pedacinhos de tecidos cortados a laser e bordados em vestidos que ganhavam efeito embabadado e fofo, ao estilo das flores tão famosas das peças da estilista.



Personagens carnavalescas apareceram, como a melindrosa, em vestidos de tira de fitas de gorgurão e elástico, no vestido preto e também na versão chemise branca, sem manga, com as fitas por cima, usada por Bruna Tenório. As cores lembrando os anos 60 surgiram neste momento, como o azul quase turqueza, o amarelo e o rosa. Para acompanhar as garotas, cinco looks masculinos, sequinhos, na linha Slimani, foram criados pelo filho Pedro Lourenço.

Universa