PUBLICIDADE

Topo

Universa

Leve afetação, feminilidade ingênua e arco-íris de cores desfilam por Milão

Prada desfilou coleção marcada por uma feminilidade ingênua na semana de moda de Milão - Reuters
Prada desfilou coleção marcada por uma feminilidade ingênua na semana de moda de Milão
Imagem: Reuters

25/09/2007 20h30

Israel Fernández Roma, 25 set (EFE) - A mulher chique, distinta e, até certo ponto, exagerada da Moschino foi, junto com o caleidoscópio de cores da Missoni e a feminilidade ingênua da Prada, a grande atração do quarto dia da edição Primavera-Verão 2008 da semana de moda feminina de Milão.

A Moschino, que ontem tinha apresentado a coleção da sua linha "Cheap&Chiq", mostrou hoje uma mulher que brinca com a sofisticação e o exagero em pequenos detalhes e, ao mesmo tempo, se vale de cores vivas e de tecidos brilhosos para ser o foco das atenções.

As calças, macaquinhos e saias que desfilaram pela passarela vieram ou muito acima ou muito abaixo dos joelhos, em looks monocromáticos ou que traziam combinações aleatórias de preto, vermelho vivo, diferentes tons de branco e um ofuscante azul-céu metalizado.

O visual sofisticado e levemente afetado das modelos era complementado com aplicações de metais e pedrarias em algumas peças, e também com óculos de sol, bolsas e sapatos nas cores verde, violeta ou vermelha, muitas vezes envernizados.

A Prada, por sua vez, mostrou uma mulher jovem, que cultua uma feminilidade ingênua combinando leggings e vestidos de tecidos variados e com volume, algumas vezes fechados e com estampas, outras com um discreto decote irregular.

O cuidado de Miuccia Prada para conseguir formas diferenciadas ficou mais uma vez evidente nas pregas e dobraduras vistas no corpo, nas golas e nas mangas dos vestidos. E, para valorizar suas criações, a estilista apostou em acessórios discretos, como bolsas menores e cintos extra-finos.

Já a Missoni, grife famosa por explorar linhas e desenhos geométricos, apresentou uma coleção fiel a suas estampas caleidoscópicas, com flores e motivos tropicais grandes, numa variada gama de cores.

Para o dia, além de calças corsário, coletes e jaquetas, vestidos vaporosos de todos os comprimentos e minissaias plissadas ou com aplicações de minúsculos espelhos desfilaram acompanhadas de sandálias com um discreto laço e presas ao tornozelo.

Mais étnico, os looks para a noite vieram cheios de referência dos saris indianos, na forma de vestidos folgados arrematados com faixas de lantejoulas e combinados com sandálias de salto baixo com detalhes em dourado fosco.

Famosa por sua linha de lingeries, a La Perla apostou no preto e nas cores marrom, bege e areia. Na coleção da grife, clássica e comportada, chamaram a atenção os cintos e sandálias plataforma em couro de cobra, assim como as aplicações de pluma nestas últimas e em algumas peças.

Mangas morcego, macramês e babados bordados foram outros elementos explorados pela La Perla, que também recorreu a aplicações de strass em faixas, sutiãs, colares e tiras para compor seus looks.

Outra grife que mereceu destaque nesta terça-feira foi a Blumarine, que encerrou seu desfile com a modelo Elisabetta Gregoracci, namorada do diretor da escuderia Renault, Flavio Briatore, cruzando a passarela de véu e biquíni branco.

A marca trouxe shorts, caftans (traje tipo túnica) e vestidos retos com decotes nas costas e estampas de flores sobre tons de verde e de azul.

Os vestidos de chiffon, com decotes generosos e fechos, e os acessórios prateados e dourados completaram as principais propostas da Blumarine para o próximo verão.

Já a Gianfranco Ferré, que desfilou ontem, informou que o sueco Lars Nilsson vai assumir o posto de seu criador, que morreu no dia 17 de junho.

Universa