PUBLICIDADE

Topo

Universa

Partido de Angela Merkel quer ter mulheres em metade dos cargos até 2025

O partido da chanceler da Alemanha, Angela Merkel, planeja introduzir cotas vinculativas para representação feminina nos principais cargos no partido - John MacDougall/AFP
O partido da chanceler da Alemanha, Angela Merkel, planeja introduzir cotas vinculativas para representação feminina nos principais cargos no partido Imagem: John MacDougall/AFP

08/07/2020 13h03

Proposta prevê mulheres ocupando de 30% dos postos a partir do ano que vem, com aumento paulatino. A liderança do CDU (União Democrata-Cristã), o partido da chanceler federal alemã, Angela Merkel, aprovou nesta quarta-feira (08) um projeto que visa introduzir cotas vinculativas para representação feminina nos principais cargos da legenda conservadora.

A partir do próximo ano, pelo menos 30% dos cargos de liderança partidária, a partir das estruturas distritais, deverão ser preenchidos por mulheres. A cota deve ser aumentada gradualmente para 40% em 2023 e 50% em 2025.

A comissão encarregada de redigir as diretrizes internas do partido concordou com as novas cotas em uma reunião realizada durante a madrugada, afirmaram fontes do partido.

A proposta ainda deve ser levada à aprovação dos membros do partido durante a convenção da CDU em dezembro.

Fontes familiarizadas com as negociações disseram à agência de notícias AFP que exceções às cotas obrigatórias podem ser feitas "se não houver mulheres suficientes concorrendo ao cargo".

Os presidentes de distrito deverão informar o partido sobre o desenvolvimento da proporção de mulheres e as medidas para promovê-las.

A comissão não chegou a uma decisão exigindo as cotas para candidaturas nas eleições estaduais, europeias e federais.

No entanto, fontes disseram que há a possibilidade de um compromisso prevendo uma meta de pelo menos três vagas para mulheres entre as dez primeiras posições nas listas de candidatos no sistema de representação proporcional da Alemanha a partir de 2021. O número aumentaria para quatro em 2023 e cinco em 2025.

A nova regra foi acertada após duras negociações. O projeto original sugeria metas de maior alcance, que incluíam uma cota obrigatória de 50% a partir de 2023 para os escritórios do partido e para as listas de candidatos. Mas setores do partido opuseram-se fortemente à proposta.

O anúncio da CDU ocorre no mesmo dia em que o Ministério da Família da Alemanha apresentou a primeira estratégia nacional do país para a igualdade de gênero. A estratégia estabelece nove objetivos para alcançar a igualdade entre homens e mulheres na Alemanha, com o objetivo de influenciar a legislação.

A CDU ocupou uma pluralidade de cadeiras no Bundestag alemão por décadas e até agora relutava em impor regras de igualdade de gênero, ao contrário de outros partidos, mais à sua esquerda. As novas regras, caso aprovadas, provavelmente terão amplos efeitos na paridade de gênero na política alemã.

Universa