Topo

Estigmatização eleva riscos da aids para transexuais na América Latina

Getty Images
Imagem: Getty Images

Gudrun Heise

Da DW

24/07/2019 18h13

Medicamentos antirretrovirais já permitem uma expectativa de vida normal para pacientes soropositivos, mas discriminação pela sociedade e governos dificultam o diagnóstico. Conferência no México estuda soluções.Quem é transexual e soropositivo tem uma vida extremamente difícil na América Latina, voltou a confirmar a 10ª Conferência Internacional da Aids sobre Ciência do HIV (IAS 2019), realizada na Cidade do México de 21 a 24 de julho.

"Nesses países, os transexuais ainda são fortemente estigmatizados. De cada cinco homicídios de transexuais, quatro ocorrem na América Latina", relata Jürgen Rockstroh, presidente da Associação Alemã contra a Aids (DAIG). Ele responsabiliza, acima de tudo, os respectivos governos, que contribuem para a discriminação, reforçando a homofobia e a ignorância contra esses grupos.

Em decorrência da violência contra os transexuais, muitas vezes aberta, eles têm medo de se mover na esfera pública, para não serem rotulados ou mesmo atacados. Em consequência, raramente se submetem ao teste de aids, ficando sem medicação e sujeitos a passar o vírus adiante.

No entanto, a conferência sobre o estudo científico do HIV também trouxe notícias positivas. Na Tailândia, por exemplo, os transexuais estão muito bem integrados na sociedade e em numerosos projetos. Numa espécie de rede, eles procuram sensibilizar outros quanto às formas de lidar com a problemática.

Os ativistas tailandeses incentivam para que se faça uso do teste de aids e da profilaxia pré-exposição (PrEP), a qual consiste em ministrar-se a indivíduos saudáveis e não infectados um medicamento que impede a proliferação do vírus HIV no organismo. Segundo o Serviço Alemão contra a Aids, o método é tão eficaz quanto o uso de preservativos.

Cada indivíduo atingido que divulga a importância dos testes, diagnóstico e terapia contra a aids aumenta a chance de motivar outros transexuais e de convencê-los a participar dos programas. A questão é, naturalmente, até que ponto é possível transferir modelos bem-sucedidos como esse para países onde as pré-condições políticas e sociais são muito mais árduas - ou pior, sequer existem.

O programa Unaids, das Nações Unidas, estabeleceu prazo até 2020 para que se cumpra a meta de tratamento "90-90-90". Ela consiste em que 90% de todos os soropositivos conheçam seu diagnóstico; destes, 90% se submetam a terapia; e ainda 90% consigam combater com sucesso o avanço do vírus.

No entanto, "em muitos países ainda se está muito longe disso", aponta Rockstroh. "Entre outras razões, isso é porque muitos não fazem o exame, ou seja, os que têm risco elevado não são identificados." E, além de tudo, em muitos países ainda paira o estigma do HIV/aids.

Existem medicamentos antivirais e, portanto, a possibilidade de evitar infecções com o HIV, mas só sob a condição de que o maior número possível de pessoas faça o teste e que os medicamentos sejam disponibilizados. "Claro que há o desejo da cura", comenta Rockstroh, porém o desenvolvimento de medicação antirretroviral já é um grande passo no combate à aids.

O presidente da DAIG lembra que, "para quem faz uma terapia, é possível uma expectativa de vida normal". Ele considera também positivo o fato de muitos jovens terem apresentado seus temas na Conferência Internacional da Aids com grande entusiasmo. "Isso dá coragem e entusiasmo. Acho que os jovens possuem força e energia para romper coisas que estão muito engessadas, e aí transformá-las para melhor."

Medicamentos antirretrovirais já permitem uma expectativa de vida normal para pacientes soropositivos, mas discriminação pela sociedade e governos dificultam o diagnóstico. Conferência no México estuda soluções.Quem é transexual e soropositivo tem uma vida extremamente difícil na América Latina, voltou a confirmar a 10ª Conferência Internacional da Aids sobre Ciência do HIV (IAS 2019), realizada na Cidade do México de 21 a 24 de julho.

"Nesses países, os transexuais ainda são fortemente estigmatizados. De cada cinco homicídios de transexuais, quatro ocorrem na América Latina", relata Jürgen Rockstroh, presidente da Associação Alemã contra a Aids (DAIG). Ele responsabiliza, acima de tudo, os respectivos governos, que contribuem para a discriminação, reforçando a homofobia e a ignorância contra esses grupos.

Em decorrência da violência contra os transexuais, muitas vezes aberta, eles têm medo de se mover na esfera pública, para não serem rotulados ou mesmo atacados. Em consequência, raramente se submetem ao teste de aids, ficando sem medicação e sujeitos a passar o vírus adiante.

No entanto, a conferência sobre o estudo científico do HIV também trouxe notícias positivas. Na Tailândia, por exemplo, os transexuais estão muito bem integrados na sociedade e em numerosos projetos. Numa espécie de rede, eles procuram sensibilizar outros quanto às formas de lidar com a problemática.

Os ativistas tailandeses incentivam para que se faça uso do teste de aids e da profilaxia pré-exposição (PrEP), a qual consiste em ministrar-se a indivíduos saudáveis e não infectados um medicamento que impede a proliferação do vírus HIV no organismo. Segundo o Serviço Alemão contra a Aids, o método é tão eficaz quanto o uso de preservativos.

Cada indivíduo atingido que divulga a importância dos testes, diagnóstico e terapia contra a aids aumenta a chance de motivar outros transexuais e de convencê-los a participar dos programas. A questão é, naturalmente, até que ponto é possível transferir modelos bem-sucedidos como esse para países onde as pré-condições políticas e sociais são muito mais árduas - ou pior, sequer existem.

O programa Unaids, das Nações Unidas, estabeleceu prazo até 2020 para que se cumpra a meta de tratamento "90-90-90". Ela consiste em que 90% de todos os soropositivos conheçam seu diagnóstico; destes, 90% se submetam a terapia; e ainda 90% consigam combater com sucesso o avanço do vírus.

No entanto, "em muitos países ainda se está muito longe disso", aponta Rockstroh. "Entre outras razões, isso é porque muitos não fazem o exame, ou seja, os que têm risco elevado não são identificados." E, além de tudo, em muitos países ainda paira o estigma do HIV/aids.

Existem medicamentos antivirais e, portanto, a possibilidade de evitar infecções com o HIV, mas só sob a condição de que o maior número possível de pessoas faça o teste e que os medicamentos sejam disponibilizados. "Claro que há o desejo da cura", comenta Rockstroh, porém o desenvolvimento de medicação antirretroviral já é um grande passo no combate à aids.

O presidente da DAIG lembra que, "para quem faz uma terapia, é possível uma expectativa de vida normal". Ele considera também positivo o fato de muitos jovens terem apresentado seus temas na Conferência Internacional da Aids com grande entusiasmo. "Isso dá coragem e entusiasmo. Acho que os jovens possuem força e energia para romper coisas que estão muito engessadas, e aí transformá-las para melhor."

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Diversidade