PUBLICIDADE

Topo

Qatar leva à justiça responsáveis por exames ginecológicos forçados

Mulheres de dez voos foram examinadas para tentar encontrar a mãe de um recém-nascido abandonado em um banheiro do aeroporto de Doha - Getty Images/iStockphoto
Mulheres de dez voos foram examinadas para tentar encontrar a mãe de um recém-nascido abandonado em um banheiro do aeroporto de Doha Imagem: Getty Images/iStockphoto

30/10/2020 10h32

Doha, 30 Out 2020 (AFP) - O Qatar anunciou hoje que os responsáveis por ordenar os exames ginecológicos forçados em passageiras no aeroporto de Doha foram levados à justiça, após uma onda de indignação internacional.

Mulheres de dez voos foram examinadas para tentar encontrar a mãe de um recém-nascido abandonado em um banheiro do aeroporto no dia 2 de outubro.

"Aqueles responsáveis por estas violações e ações ilegais foram levados ao Ministério Público", afirma o governo em um comunicado.

"O primeiro-ministro e o ministro do Interior querem expressar em nome do governo do Estado do Qatar as mais sinceras desculpas pelo que algumas passageiras foram obrigadas a passar", completa o texto.

O incidente só foi divulgado esta semana, quando passageiras australianas revelaram o constrangimento.

A Nova Zelândia informou que uma de suas cidadãs estava entre as afetadas e classificou os fatos como "completamente inaceitáveis".

Londres afirmou que duas britânicas também estavam entre as passageiras. Outra fonte afirmou que uma francesa foi examinada.

A Austrália afirmou que 13 cidadãs do país sofreram os "exames espantosos".