PUBLICIDADE

Topo

Vítimas, advogadas, promotora: as mulheres do julgamento de Harvey Weinstein

Harvey Weinstein após audiência em Nova York em abril de 2019 - Don Emmert / AFP
Harvey Weinstein após audiência em Nova York em abril de 2019 Imagem: Don Emmert / AFP

Nova York - AFP

03/01/2020 15h49

Supostas vítimas, advogadas, especialistas: uma dúzia de mulheres terá sua parcela de protagonismo no julgamento do produtor de cinema Harvey Weinstein, que começará na segunda-feira (6).

Confira o que sabemos sobre elas:

As acusadoras

- Mimi Haleyi: É uma das duas supostas vítimas de Weinstein cujas denúncias de agressão sexual resultaram em processos criminais.

A ex-assistente de produção alega que o outrora homem forte de Hollywood a forçou a receber sexo oral enquanto estavam em seu apartamento em Nova York em julho de 2006, apesar de ela se negar reiteradamente.

"Foi totalmente não consentido", afirma Miriam Haleyi, seu nome de registro, à MSNBC, lembrando que estava menstruada no momento do incidente. "Não há forma de eu quisesse que isso acontecesse".

- A segunda vítima que levou Weinstein a julgamento criminal permanece anônima: acusa o nova-iorquino de estuprá-la em março de 2013 em um quarto de hotel.

A defesa já enviou uma série de correspondências que mostrariam que esta mulher teve um relacionamento romântico sustentado com seu suposto agressor por vários anos após os supostos eventos.

- Annabella Sciorra:

A atriz, que apareceu na série "A Família Soprano", também afirma ter sido violentada por Weinstein em 1993 em sua casa, depois de ser forçada a deixá-lo entrar.

Embora não tenha revelado a agressão até o final de outubro de 2017, ela afirma que o produtor fez tudo o possível para evitar que obtivesse papéis entre 1993 e 1995.

Os fatos dos quais afirma ter sido vítima não são avaliados neste processo. Mas seu testemunho é a chave para o julgamento, que espera provar que o ex-magnata do cinema é culpado de comportamento de 'predador sexual' ao agredir uma série de mulheres.

Se ele for considerado culpado, poderá ser condenado à prisão perpétua.

- Três outras mulheres cujas identidades são desconhecidas foram autorizadas pelo juiz James Burke a testemunhar no julgamento.

Uma delas afirma ter sido estuprada por Weinstein em Beverly Hills em 2013. A natureza exata dos outros dois incidentes, que ocorreram em 2004 e 2005, é desconhecida.

Assim com Annabella Sciorra, Weinstein não está sendo processado pelos eventos relatados por essas três mulheres, que só estarão lá como testemunhas.

As advogadas de acusação e defesa

- Joan Illuzi-Orbon, a promotora: assistente do promotor de Manhattan, Cyrus Vance, chefiará a acusação durante o julgamento, com suas mais de três décadas de experiência.

Antes do início do julgamento, conseguiu elevar a fiança a Weinstein, a quem acusou de tomar liberdades com sua vigilância eletrônica.

Em 2011, liderou a equipe que investigou Dominique Strauss-Kahn, o então diretor do Fundo Monetário Internacional, e o incidente do Sofitel. Por fim, recomendou a retirada dos cargos apresentados.

- Donna Rotunno, chefe da equipe de advogados de defesa: essa advogada de Chicago é conhecida por defender vários homens acusados de agressão sexual e por sua pugnacidade.

"Quando entrevisto uma mulher na audiência, posso ir muito além do que um advogado homem", afirmou à revista Chicago Magazine em fevereiro de 2018. "Pode ser um excelente advogado, mas se abordar essa mulher com o mesmo veneno que eu, parecerá um bandido".

As especialistas

- Barbara Ziv, especialista em psiquiatria citada pela promotoria: essa médica testemunhou no julgamento de Bill Cosby. Explicou os motivos que muitas vezes levam as vítimas de agressão sexual a esperar às vezes anos para falar sobre o que sofreram.

- Deborah Davis e Elizabeth Loftus, especialistas citadas pela defesa: essas duas especialistas em psicologia trabalharam com transtornos da memória em pessoas que afirmam ter sido vítimas de agressão sexual.

- O público -A famosa advogada Gloria Allred, que representa duas das acusadoras de Weinstein - Haleyi e Sciorra - estará na audiência para apoiá-las. Também são esperadas ativistas dos movimentos #MeToo e Time's Up.

Embora não seja esperada a presença de nenhuma das estrelas que acusaram Weinstein de assediá-las ou abusar delas, como Ashley Judd, Gwyneth Paltrow ou Angelina Jolie, algumas como Rosanna Arquette, planejam estar presentes em algumas das audiências.

Violência contra a mulher