PUBLICIDADE

Topo

Universa

Curvas da moda brasileira marcam presença no salão prêt-à-porter de Paris

04/09/2007 14h46

PARIS, 4 Set 2007 (AFP) - O salão do prêt-à-porter de Paris, o mais importante da moda feminina do mundo, dedica pela primeira vez um espaço à moda curvilínea, para atender à demanda das muitas mulheres que usam tamanho 44 ou superior e lembra que "Marylin Monroe, ícone emblemático de feminilidade, vestia 46". Marcas brasileiras, acostumadas a lidar com curvas, se destacam neste evento que acontece de 6 a 9 de setembro.

O salão havia inovado já no ano passado com o espaço "So Ethic", dedicado à moda ética. Nesta edição, o espaço se ampliou, com 80 marcas participantes, entre eles uma significativa presença brasileira: 1001 retalhos, Apoena, Coco Brasil, Francisca Vieira, Virgulino, Celene Sitonio, Natural Fashion, Lucidez, Viver de Arte, María Chik, entre outros.

No momento em que segue vigente a polêmica sobre a excessiva magreza das modelos, o prêt-à-porter Paris inova dedicando um novo espaço, batizado de "So sweet" ("Que fofo"), para as mulheres que têm curvas e assumem isso, para as que se sentem bem com seu corpo e "querem se sentir bem em suas roupas".

Os organizadores afirmam que, na França, 41,14% das mulheres usam entre 44 e 56 e, apesar disso, "nem sempre é fácil encontrar um jeans de marca de seu tamanho, uma blusa gráfica ou um paletó cintado".

"Tentamos organizar setores que correspondam a um momento preciso da demanda", explica o presidente da Federação Francesa de prêt-à-porter feminino, Jean-Pierre Mocho.

"So sweet" apresentará as coleções de cerca de 50 marcas num espaço de mil metros quadrados.

Este novo espaço, o décimo do prestigiado salão de moda, não se limita a "fazer uma roupa maior a partir do básico", mas sim tenta demonstrar "que há criação de moda também em tamanhos grandes", afirmou Mocho.

O salão apresenta uma moda que, além das condições da Carta Ética aprovada por todas as marcas participantes, propõe "luxo, qualidade, estilo, criação, para que os bons sentimentos façam par com a beleza".

Este ano, o espaço "So ethic", repetido nesta edição, ganhou uma madrinha, a estilista britânica Katharine Hammett, pioneira da moda ética. A criadora das camisetas com lemas contra a guerra em 2003, desenhou desta vez os modelos que serão vestidos pelas recepcionistas do salão: nelas, será possível ler "No more fashion victims".

A presença da moda espanhola é também importante no Salão. Com mais de 50 marcas participantes, especialmente no espaço "Shibuya" dedicado à moda para jovens, a espanha se faz presente com marcas como Mimotica Mocola, Mamatoyoé, Zen Spirit, Kwaleon, Matilda ou Nicole Viros, que trazem "um vento quente e colorido".

O Salão do prêt-à-porter de Paris é considerado o mais importante encontro mundial da moda feminina. É realizado duas vezes por ano e reúne 1.500 marcas de moda de todo o mundo em um espaço de 65.000 m2. Reservado para profissionais, recebe mais de 40.000 visitantes em cada edição.

Mas o salão quer mais e pretende ainda se tornar uma espécie de barômetro das tendências, não apenas na esfera da moda, mas também da alimentação, música e outros setores. Para tanto, organiza um Fórum de Tendências destinado a "entender os gostos do amanhã, as atitudes do futuro e as ressonâncias entre a moda e a época".

Conferências, desfiles e exposições completam o programa do Salão.

Universa