Topo

Julho de 2019: nem tudo aquilo que consideramos seguro pode ser confiável

Céu de julho - Alexander Andrews/Unsplash
Céu de julho Imagem: Alexander Andrews/Unsplash

Barbara Abramo

Da Universa, em São Paulo

01/07/2019 00h00

Julho começa com um eclipse solar em Câncer, signo da emoção e do instinto de sobrevivência, daquilo que nos é familiar e nos dá a sensação de conforto e acolhimento. Logo em seguida, no dia 3, Vênus também entra no signo do caranguejo e promete um despertar geral durante todo o mês. Através de crises, impasses e até mesmo de algo que provoque reações públicas, o desafio será deixar de lado o que é cômodo, familiar e conhecido. Só assim será possível ter respostas e soluções.

Diversos são os eventos que podem causar comoção. Assuntos de políticas públicas como saúde, moradia e até mesmo a reforma da Previdência entram em destaque. O signo de Câncer e o eclipse solar, no dia 2, vêm para nos lembrar que nem tudo aquilo que consideramos seguro pode ser, de fato, confiável.

No dia 7, Mercúrio entra em retrogradação e só retoma seu movimento direto no dia 1º de agosto. Rever a comunicação é o principal durante esse período, ok? Em Leão, o planeta também sinaliza alguns desentendimentos no setor político, já que o signo rege o executivo e as autoridades. Mal entendidos e extravios podem vir à tona.

Já nos dias 8 e 9, Vênus e Urano em sintonia prometem um momento de brilho. Os astros trazem soluções inovadoras para o povo brasileiro, além da possibilidade de uma descoberta científica que pode proporcionar melhorias significativas na vida das pessoas. Também nesses dias, Mercúrio e Marte alinhados reforçam a tendência de dinamismo e novidades, alimentada pela Lua crescente em Libra que, por sua vez, favorece as negociações e o diálogo.

No dia 16, um eclipse lunar em Capricórnio pode levar embora ou abalar alguma estrutura de poder que parecia estável, mas que na realidade já estava desgastada e frágil. Personalidades públicas desse signo podem ser postas em desafio de algum modo, por sua autoridade, capacidade ou saúde. Até que o Sol ingresse em Leão, no dia 22, aspectos tensos de Vênus com Saturno, Plutão e Mercúrio retrógrados atestam semanas de pouco sucesso em acordos internacionais e na reforma da Previdência, por exemplo, um assunto em destaque durante todo o mês.

Mais um período de desafios começa no dia 22. A realidade se impõe com limites e notícias duras para a economia nacional, como queda no consumo e no emprego, baixo desenvolvimento de setores além de grande declínio no nível da educação e da saúde, principalmente. Aspectos tensos entre Sol, Saturno e Plutão, associados a Marte em tensão a Urano, preconizam situações inesperadas que podem gerar algum pesar público.

A partir do dia 24, com a Lua minguante em Touro, um período mais ameno e menos dramático vem nos brindar. Ainda assim, o Sol em Leão movimenta e destaca os poderes Judiciário e Executivo, além das Câmaras. Muito debate e pouco entendimento estão no cardápio astral. Até o dia 25, Marte em bom aspecto com Júpiter pode significar um arranjo positivo para o desenvolvimento ou a retomada de algumas iniciativas.

No dia 27, Vênus ingressa em Leão, anunciando uma temporada de harmonia entre os poderosos. Quem sabe algum acordo não seja anunciado? Por fim, o mês se encerra com aspecto tenso entre Sol e Urano entre os dias 28 e 30. O trânsito preconiza eventos inesperados e surpresas que podem envolver setores de tecnologia.

Horóscopo