PUBLICIDADE

Topo

Soltos

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Lucas beija Gil e deixa BBB. Até quando bissexuais terão que se justificar?

Carol Tilkian e André Lage

sobre os colunistas

Piranhas românticas, André e Carol são experts em solteirice e partidários do afeto mesmo nas relações casuais. Carol está solteira há 6 anos e já não troca a aula de hot yoga por um date mais ou menos. André está solto monogâmico mas já se esbaldou muito na vida de contatinhos. Publicitários e roteiristas, trabalham com comportamento e conteúdo há anos e decidiram se aprofundar no tema que é assunto da manicure à terapia: como se relacionar hoje em dia.

André Lage

Piranhas românticas, André e Carol são experts em solteirice e partidários do afeto mesmo nas relações casuais. Carol está solteira há 6 anos e já não troca a aula de hot yoga por um date mais ou menos. André está solto monogâmico mas já se esbaldou muito na vida de contatinhos. Publicitários e roteiristas, trabalham com comportamento e conteúdo há anos e decidiram se aprofundar no tema que é assunto da manicure à terapia: como se relacionar hoje em dia.

Colunista de Universa

07/02/2021 12h22

Nessa madrugada rolou o primeiro beijo gay no BBB, que já está na 21a edição. Lucas e Gil, que já estavam próximos, se beijaram numa cena cheia de carinho e tesão. E este, que poderia ter sido um momento histórico para o programa, mais uma vez serviu de gatilho para enxergarmos o pior de nossa sociedade: bifobia, falta de respeito e violência psicológica se multiplicaram entre os olhares julgadores dos outros brothers.

Lumena desautorizou o beijo dos dois (como se alguém tivesse ingerência sobre a boca alheia), Rodolffo afirmou que se tratava de uma estratégia de jogo e Pocah acusou o ator de estar se escorando na bandeira LGBTQ+. A pressão foi tanta que Lucas pediu para sair do BBB e desistiu do reality. Todo esse barraco me faz questionar o quanto a bissexualidade masculina ainda é tabu. Independente do circo armado no programa, me interessa discutir aqui, o quanto muitas mulheres, que se dizem livres e desconstruídas, ainda julgam homens que têm desejo também por outros homens.

Masculinidade trucada
Há pouco mais de um ano, outro reality revelou o mesmo padrão. Em Casamento às Cegas, da Netflix, o participante Carlton Morton teve seu romance interrompido com a então noiva Diamond após revelar que já tinha tido uma relação com outro homem. Não sei se vocês acompanharam o programa, mas Diamond fez um verdadeiro barraco, afirmando que se sentia profundamente ofendida e traída pelo parceiro pelo fato dele já ter beijado outro homem. Coloco minha mão no fogo como a reação seria outra se ele tivesse dito que acumulava romances com outras mulheres.

Por que a bissexualidade masculina é uma chaga na masculinidade do cara e a bissexualidade feminina ainda é fetiche? Até quando vamos viver em uma sociedade que acha sexy duas mulheres juntas - onde os caras muitas vezes ainda fantasiam que eles serão o terceiro elemento do casal lésbicas ou poderão oferecer à essas mulheres algo que elas nunca terão na relação gay: o pau - mas que condenará todo homem que se diz interessado por homens e mulheres, como se esse discurso fosse um prenúncio de alguém que quer sair do armário mas não tem coragem?

Muitas de nós enchemos a boca para falar da importância em desconstruir a masculinidade tóxica e da nossa insatisfação com parceiros machistas, mas, assim como Diamond e como os brothers, olhamos torto para homens que também beijam outros homens. Não adianta se horrorizar com o BBB e reproduzir o preconceito no date do Tinder.

É irônico pensar que todo casal hétero que se beija no programa é aclamado pela casa. Semana passada Karol Conka claramente assediou Acrebiano e ainda assim teve seu beijo ovacionado por palmas pois, afinal de contas, ele estava exercendo seu papel de macho ao pegar a mulher que quer beijar ele. Agora se o beijo for entre dois homens existe uma agenda oculta? Até quando bissexuais vão ter que justificar e reafirmar sua existência? Como disse Hugo Gloss o B do LGBTQIA+ não é Britney pro povo dançar embriagado mas parece que ainda não entendemos isso...

Lucas teve que justificar seu desejo no reality e ainda assim não encontrou acolhimento. O horror da casa é um reflexo das nossas vidas. Mas aqui fora não dá pra pedir pra sair. Espero que a gente transforme todo esse mal estar ante ao BBB como um chamado para revermos nossos próprios preconceitos.

2021 e a gente segue classificando a sexualidade dos outros a partir de estereótipos. O que diremos então ao entrar numa relação com um cara bi? A possibilidade de exercer o desejo por mais pessoas ficará só restrita a nós, é isso mesmo? Você vai seguir achando que tudo bem beijar sua amiga no bloquinho de carnaval por que vocês estão curtindo mas vai olhar com dúvida se o cara que você estiver saindo beijar um outro cara no mesmo bloco? Tá na hora da gente desconstruir essa hipocrisia não acham?

Mulheres, está na hora da gente encarar essa homofobia presente no nosso olhar e desconstruir ela juntos. Não adianta querermos trucar a masculinidade tóxica se mantivermos um olhar machista para os homens, não acham?

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL