PUBLICIDADE

Topo

Brad e Jenn flertam, e nosso coração explode. Por que tem ex que nos abala?

O então casal Jennifer Aniston e Brad Pitt - Reprodução / Internet
O então casal Jennifer Aniston e Brad Pitt Imagem: Reprodução / Internet
Carol Tilkian e André Lage

sobre os colunistas

Piranhas românticas, André e Carol são experts em solteirice e partidários do afeto mesmo nas relações casuais. Carol está solteira há 6 anos e já não troca a aula de hot yoga por um date mais ou menos. André está solto monogâmico mas já se esbaldou muito na vida de contatinhos. Publicitários e roteiristas, trabalham com comportamento e conteúdo há anos e decidiram se aprofundar no tema que é assunto da manicure à terapia: como se relacionar hoje em dia.

André Lage

Piranhas românticas, André e Carol são experts em solteirice e partidários do afeto mesmo nas relações casuais. Carol está solteira há 6 anos e já não troca a aula de hot yoga por um date mais ou menos. André está solto monogâmico mas já se esbaldou muito na vida de contatinhos. Publicitários e roteiristas, trabalham com comportamento e conteúdo há anos e decidiram se aprofundar no tema que é assunto da manicure à terapia: como se relacionar hoje em dia.

Colunista do UOL

19/09/2020 13h57Atualizada em 19/09/2020 13h57

Jennifer Aniston e Brad Pitt, o eterno ex-casal, futuro casal de nossos corações, causaram furor na internet nessa última quinta-feira. Os dois participaram de uma leitura beneficente do roteiro de "Picardias Estudantis", um clássico dos anos 80 organizada por Sean Penn para levantar fundos para as vítimas do Covid-19. O casting da tal reuniãozinha por zoom contava ainda com atores como Matthew McConaughey, Morgan Freeman, Julia Roberts e outros divos do cinema.

Mas o talento desse time todo de estrelas ficou pequeno perto da nossa vontade de enxergar mensagens subliminares de paixão e reaproximação entre Jenn e Brad, enquanto os dois contracenavam.

A cena em si já era cheia de sedução: a personagem de Jenn (Linda) encontra o personagem de Brad (que também chama Brad, pra ajudar a gente a projetar que essa é uma conversa real) se masturbando ao imaginar ela de topless. Mas o que mexeu com a minha cabeça, com o meu coração e com as emoções da internet inteira foram as expressões dos dois e a dos outros atores que assistiam a cena. Diz se não é pra sorrir sozinha olhando pro computador e fazer aquele "ahhhhh..."

Somos todas Team Jenn

Depois de assistir ao vídeo, já me sentia amiga íntima de Jenn e me peguei animada pensando : será que eles se encontraram para um vinho pós-leitura? Será que rolou xaveco pelas mensagens privadas do zoom? Será que ele vai aparecer com flores na casa dela e eles vão voltar?

Um dos memes que viralizaram no Twitter provavelmente é o que mais me representa:

E assim como eu, uma legião de apaixonadas pelo casal se manifestou na internet torcendo fervorosamente pela volta dos dois. Nessas horas a gente esquece que rolou traição, barraco, que se passaram 15 anos (sim!! fui pesquisar e eles se separaram em 2005) e o que a gente quer ver mesmo é final feliz, redenção e reencontro. Entrei na pira de entender por que shippar esse casal mexe tanto comigo e com a web.

Torcer por Jenn e Brad é torcer pelos nossos crushes criptonitas

Eu acho que a torcida é menos por eles e mais por nós mesmas e nossos amores. Tive um ex-namorado que dizia que tem gente que é como criptonita: não importa quanto tempo passe, sempre que você cruzar com a pessoa ou se pegar pensando nela, o coração vai balançar.

Os criptonitas podem ser ex-namorados, ex-maridos ou até aquele cara com quem você teve um caso tórrido de uma semana e o ele sumiu na nuvem de fumaça. Acho que o ponto aqui é esse resgate da intensidade.

Em tempos de muitos matches em apps de paquera e poucos encontros realmente significativos, relembrar e cultivar nossos crushes criptonitas é uma forma da gente cultivar também nossa capacidade de amar intensamente.

Acho a metáfora da criptonita maravilhosa porque, em nome do tal amor intenso, a gente banca se sentir mais fraco e vulnerável e acha tudo isso lindo.

Na minha cabeça o Brad é total o "crush criptonita" da Jenn e imaginar os dois voltando é como abrir uma espécie de porta da esperança pra que a gente também resgate nossos amores passados, apesar de todas as adversidades da vida

Solteira há 6 anos, eu brinco que já virei uma "solteira cética", que enxerga as relações como elas são e aprendeu a não se emocionar demais nos começos nem deprimir demais nos finais, como estratégia de sobrevivência. Mas a verdade é que eu tô louca para aposentar esse ceticismo e ser inundada pela tal onda de esperança no amor.

Eu carrego vários crushes criptonitas no coração e confesso que já me peguei pensando "será que um dia aquele fulano por quem eu era apaixonada na faculdade vai se separar, a gente vai se reencontrar e construir uma nova família buscapé com os filhos dele, meus filhos e um labrador?".

Acho que quando a gente torce pela volta de Jenn e Brad a gente torce por uma história de amor que é um misto de filme de Hollywood com vida real. Vão ter desencontros, erros de timing, afastamentos, mas uma hora "o amor vai achar seu caminho" como já diria uma música também dos anos 80. E pensar que é possível que o amor deles ache um caminho é torcer também para que os nossos amores se salvem num final feliz.

Enquanto todo mundo diz para gente superar as coisas, seguir em frente e virar a página, confesso que tem algumas histórias que eu gosto de cultivar no coração. Elas me trazem essa memória da intensidade, de um amor bonito (sim eu sei que tô editando os melhores momentos de amores que já passaram - mas um pouco de ilusão não faz mal a ninguém). E você também tem amores criptonitas?

Se você quer saber como sobreviver à solteirice em tempos de likes, segue a gente no YouTube e no Instagram. Toda semana a gente entrevista solteiros e especialistas e divide nossos aprendizados e teorias. Mande histórias e dilemas que a gente transforma em pauta!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.