PUBLICIDADE

Topo

Se Conselho Fosse Bom

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

'Será que devo namorar uma garota de programa?'

Pexels
Imagem: Pexels
Conteúdo exclusivo para assinantes
Karin Hueck

Karin Hueck é jornalista e escritora. Foi editora da revista "Superinteressante", colaborou para alguns dos maiores veículos do Brasil e tem 5 livros publicados. "Se conselho fosse bom" é uma coluna de conselhos sentimentais, existenciais e práticos. Está com problemas no trabalho? Sua família te enlouquece? Não sabe se casa ou compra uma bicicleta? Mande as suas dúvidas para o se.conselho.fosse.bom@bol.com.br As respostas são 100% anônimas

Colunista de Universa

11/06/2022 04h00

Está precisando de um conselho? Mande a sua pergunta para se.conselho.fosse.bom@bol.com.br

Conheci uma mulher que é acompanhante e saímos uma vez para beber e foi muito agradável, mas desde o início deixei claro que não fazia programa e ela aceitou sair mesmo assim. Temos conversado muito. O problema, para mim, é que ela trabalha nisso e tem uma filha e um filho. Convidei ela para sair no dia dos namorados e ela aceitou. Eu tenho 40 anos, sou solteiro e não tenho filhos. Não vou mentir que estou gostando dela, mas não sei como lidar com essa situação.
- Acompanhando a acompanhante

- Caro Acompanhando a acompanhante
Não sei com qual frequência você costuma conhecer pessoas que te interessam ou quais as suas intenções em um relacionamento - se são encontrar uma namorada, um casamento, filhos, ou apenas uma companhia agradável. Acho que essas são questões centrais para tentar resolver seu impasse. Mas acho também que é importante você ter a consciência de que as pessoas não necessariamente vão atender perfeitamente às suas expectativas. Pela sua própria idade, é esperado que as mulheres que você conheça já tenham filhos, por exemplo. Isso é realmente um impeditivo para você? Quanto ao trabalho de acompanhante, entendo que possa ser um pouco mais delicado do que outras profissões tradicionais. Se você acha que não consegue aceitar uma mulher que tenha essa ocupação, então melhor nem seguir em frente: ninguém tem o direito de exigir uma mudança tão grande na vida de ninguém.

Vivi 26 anos com meu ex-marido, entre namoro e casamento. Nesse período, desde o namoro, descobri diversas traições, até que 4 anos atrás nos separamos. Não tenho nenhum sentimento por ele. Conheci outro homem, nos casamos, mas o fantasma da traição me assombra. Não tenho motivos para desconfiança, mas não consigo acreditar plenamente. Minha autoestima é baixa. Sempre penso que outras mulheres são mais bonitas e interessantes que eu. Sinto que minha insegurança me afasta cada dia um pouco do meu marido. Me ajude!
- Na sombra do passado

- Cara Na sombra do passado
Esse é um verdadeiro caso de "o problema não é você, sou eu". O seu marido atual não fez nada para quebrar a sua confiança nele e, acredite, nem todos os homens são iguais. O mundo está cheio de pessoas decentes e você precisa acreditar que é capaz de ter uma história completamente diferente da que te permeou por 28 anos. É você que precisa mudar, porque ficar projetando no seu companheiro atual os erros do passado só vai acabar minando o seu relacionamento. Felizmente, você não precisa fazer tudo sozinha. Procure uma terapia que possa focar exatamente nessa questão e na sua autoestima. E quanto à sua outra queixa - de que todas as outras mulheres são mais bonitas e interessantes do que você - já posso te garantir que isso é estatisticamente impossível.

Está precisando de um conselho? Mande a sua pergunta para se.conselho.fosse.bom@bol.com.br