PUBLICIDADE

Topo

Nina Lemos

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Wanessa e Dado: achar que ex mudou é capacidade de perdoar ou masoquismo?

Wanessa Camargo e Dado Dolabella já tinham namorado por quatro anos, de 2000 a 2004. - Reprodução/Instagram
Wanessa Camargo e Dado Dolabella já tinham namorado por quatro anos, de 2000 a 2004. Imagem: Reprodução/Instagram
só para assinantes
Nina Lemos

Nina Lemos é jornalista e escritora e mora em Berlim. É feminista das antigas e uma das criadoras do 02 Neurônio, que lançou cinco livros e teve um site no UOL no começo de 2000. Foi colunista da Folha de S. Paulo, repórter especial da revista Tpm e blogueira do Estadão e do Yahoo. Escreveu também o romance "A Ditadura da Moda".

Colunista de Universa

30/06/2022 15h43

Nos últimos dias, a notícia de que a cantora Wanessa Camargo voltou para seu ex, o ator Dado Dolabella, deixou muita gente (a redação de Universa incluída) em choque.

Dado e Wanessa namoraram entre 2000 e 2004 e o que nos deixou desconfiadas e preocupadas é a cantora ter voltado para um cara que, segundo o que acompanhamos na época, era abusivo e tóxico. Os dois eram frequentemente fotografados discutindo. Wanessa era vista chorando. Foi o tipo de namoro que, quando acabou, há tanto tempo atrás, os fãs da cantora e, acredito, seus amigos também, falaram: "ufa!".

O sinal vermelho não é só esse. Dado já foi acusado e condenado por agressão à mulher. Em 2014, ele foi condenado por agredir a ex namorada Luana Piovani em 2009. Outras ex-namoradas também já o acusaram e ele já foi preso por não pagar pensão. Ou seja, que currículo?

Wanessa é uma mulher adulta. Ela faz o que quer e torcemos de verdade para que dê certo. Mas esse tipo de situação nos faz lembrar também de vezes que já vimos amigas voltarem para ex abusivos ou nós mesmas pensamos em fazer isso (ou até fizemos).

Mulheres muitas vezes têm uma capacidade infinita de perdoar homens, o que pode ser perigosíssimo. Para citar um exemplo extremo, a maioria dos casos de feminicídio acontece por homens que são reincidentes.

Temos também uma tendência a acreditar que "ele mudou". Vai dizer que você nunca disse essa frase ou nunca ouviu de uma amiga, se referindo a um cara como fama de ser tóxico?

Será que temos essa capacidade de perdoar e acreditar em mudanças porque somos bondosas ou porque somos masoquistas e, por um lado, gostamos de sofrer? Difícil responder. Acho que provavelmente são as duas coisas.

Fora isso, claro, todas nós sofremos em algum momento da vida, em maior ou menor grau, da "síndrome de rehab". Essa síndrome faz com que a gente pense que pode "mudar" os homens. "Comigo ele vai ser diferente", pensam várias mulheres, para ver depois que elas não têm esse poder. Quase todas as mulheres que eu conheço já viveram esse momento, eu incluída. E só depois de muitos anos de análise entendi que isso era um tremendo narcisismo. Não, não temos capacidade de mudar pessoas. No máximo, podemos mudar nós mesmo. E olhe lá!

Não estou falando que as pessoas nunca podem mudar. Sim, elas podem se tratar, fazer terapia, amadurecer. Mas se um cara já foi abusivo com você e com outras mulheres, fique atenta. E não falo exatamente da Wanessa, mas de várias mulheres que todos os dias vivem esse tipo de situação, super comum.

É normal também que, com o passar do tempo, a gente lembre mais da parte boa do relacionamento e esqueça de muitas coisas ruins. Por isso mesmo, se você estiver cogitando voltar para aquele ex com quem você tinha um relacionamento tóxico e que tem péssima fama entre as mulheres, pense outra vez...