PUBLICIDADE

Topo

Nina Lemos

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Maria do Rosário: 'Me atacam porque eu enfrentei o Bolsonaro e venci'

A deputada federal Maria do Rosário (PT) voltou a sofrer ataques massivos de ódio nas redes sociais
Imagem: A deputada federal Maria do Rosário (PT) voltou a sofrer ataques massivos de ódio nas redes sociais
Conteúdo exclusivo para assinantes
Nina Lemos

Nina Lemos é jornalista e escritora e mora em Berlim. É feminista das antigas e uma das criadoras do 02 Neurônio, que lançou cinco livros e teve um site no UOL no começo de 2000. Foi colunista da Folha de S. Paulo, repórter especial da revista Tpm e blogueira do Estadão e do Yahoo. Escreveu também o romance "A Ditadura da Moda".

Colunista de Universa

17/05/2022 13h36

Desde ontem, segunda-feira (16), a deputada federal Maria do Rosário (PT) voltou a sofrer ataques massivos de ódio nas redes sociais. Um vídeo de dois anos atrás, onde ela confronta o deputado federal Daniel Silveira (PTB), que está em processo de cassação e tem que usar uma tornozeleira eletrônica (ele foi preso por pedir o fechamento do STF) voltou a circular.

O vídeo, onde ela o chama de canalha e o enfrenta, circula por perfis de extrema-direita, levando a deputada novamente para os assuntos mais comentados do Twitter, onde recebe ameaças e é chamada, novamente, de "louca, destemperada, descontrolada e maluca". Um tipo de ataque que acontece com ela frequentemente. Por que resolveram resgatar um vídeo de dois anos atrás para voltar a atacar a deputada? Para ela, o motivo é óbvio: "Daniel Silveira no momento está desesperado, tentando desviar o foco do fato de que ele tem que usar uma tornozeleira eletrônica e enfrenta um processo de cassação da câmara e criou uma cortina de fumaça", fala, em entrevista à coluna.

A deputada conta também que o enfrentamento (que aconteceu há dois anos, repito) foi causado em decorrência de uma prática quase cotidiana na câmara dos deputados. Segundo ela, alguns deputados ficam posicionados nos corredores ofendendo e provocando oponentes com insultos.

Daniel Silveira, segundo ela, "é uma pessoa totalmente irrelevante no ambiente parlamentar, já que não apresenta um projeto, nada. Se ele não tivesse sido condenado pelo STF por pedir o fechamento das instituições e atentar contra a democracia, não seria conhecido."

Ela acredita também que colocar o vídeo para circular nas redes com títulos como "novo surto de Maria do Rosário" é uma estratégia de Silveira para que seu nome continue sendo comentado.

O vídeo, segundo a assessoria de Maria do Rosário, veio de uma conta de extrema-direita e foi espalhado por pelo chamado "gabinete do ódio".

E por que, novamente, os ataques miram a deputada, que já ouviu do atual presidente da república, Jair Bolsonaro, quando ele era deputado, que "ela era muito feia para ser estuprada"? Por conta disso, Bolsonaro foi processado por Rosário, que ganhou a causa. Em 2019, o presidente teve que pagar uma multa por danos morais à deputada e fazer uma retratação.

Para Maria do Rosário esse é o motivo dos ataques constantes que sofre. "Eles me atacam porque enfrentei o líder do ódio, que é o presidente Jair Bolsonaro e ganhei. Uma vitória que foi minha e de todas as mulheres que eu represento. E não tenho medo. Nós vamos derrotá-lo de novo, agora nas urnas."