PUBLICIDADE

Topo

Nina Lemos

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

'Casamento às Cegas': Toda mulher já foi Nanda e deu chance para machista

Nanda Terra, participante do Casamento às Cegas, na Netflix - Netflix/ Alisson Loubak/
Nanda Terra, participante do Casamento às Cegas, na Netflix Imagem: Netflix/ Alisson Loubak/
Conteúdo exclusivo para assinantes
Nina Lemos

Nina Lemos é jornalista e escritora e mora em Berlim. É feminista das antigas e uma das criadoras do 02 Neurônio, que lançou cinco livros e teve um site no UOL no começo de 2000. Foi colunista da Folha de S. Paulo, repórter especial da revista Tpm e blogueira do Estadão e do Yahoo. Escreveu também o romance "A Ditadura da Moda".

Colunista do UOL

20/10/2021 12h25

O cara parece legal. Você resolve dar uma chance e se envolve. Até que ele se mostra um machista de marca maior. Um tremendo boy lixo. Suas amigas reparam e tentam te fazer ver a luz. Mas você, ainda assim, continua com ele, acreditando que as coisas vão melhorar —para desespero de todo mundo que gosta de você.

Sinceramente, acho que quase todas as mulheres que conheço já passaram por algo parecido. Se não fomos a mulher que dá uma chance para o machista, já estivemos do outro lado: o das amigas indignadas, que não se conformam em ver uma mulher incrível se metendo em uma roubada daquelas.

Hoje, todas nós, que nos viciamos no reality "Casamento às Cegas", estamos nos sentindo a mulher que vê a amiga entrando em uma roubada e tem vontade de gritar: 'Saia dessa, rápido! Você está louca, sai desse corpo.'

Isso porque, no último capítulo do programa, exibido hoje, o pior aconteceu: a maquiadora Nanda Terra disse 'sim' para o paraquedista Thiago Rocha, um dos caras mais machistas a aparecer em um reality show nos últimos tempos. Ele disse que "se incomodava com o passado da mulher", fez pouco do trabalho dela e bateu no peito para falar: "sou mulherengo, sou machista." Um horror.

Para quem nunca viu o programa: "Casamento às Cegas" é um reality da Netflix onde casais se conhecem através de cabines, onde conversam, mas não se vêem. Se eles se derem bem, ficam "noivos" ali mesmo. Depois, se encontram ao vivo pela primeira vez e vão viver juntos por alguns dias para se conhecerem melhor. E, em poucos dias, eles têm que decidir se vão dizer 'sim' e se casar, ou não. Absurdo. Mas também viciante.

nanda - Netflix/Alisson Loubak - Netflix/Alisson Loubak
Thiago Rocha e Nanda Terra, um dos casais do reality show
Imagem: Netflix/Alisson Loubak

A versão brasileira do programa apresentou uma seleção de homens tóxicos e Thiago foi o pior deles. Já Nanda, maquiadora e uma mulher forte e incrível, passou a manhã como assunto mais comentado do Twitter. Motivo: ninguém se conformava que ela tivesse ficado com aquele homem roubada.

Alguns dos comentátios: "A Nanda é muito mulherão para esse machista." "Ainda pensando como a Nanda casou com o machista do Thiago". "Ai, Nanda Terra, difícil te defender."

Pois é. Às vezes fica difícil defender as amigas mesmo. Mas, na maioria das vezes, quando ficamos com um lixo machista mais tempo do que deveríamos e levamos mais a sério o cara do que o bom senso recomendava, estamos tomadas por uma entidade otimista, que acredita muito na humanidade. Achamos que, se já demos uma chance, por que não tentar mais um passo?

Claro, na vida real, a maioria das mulheres que se envolve com um Thiago da vida não chega a casar (apesar de algumas não só assinarem um papel de compromisso, mas também terem filhos!). No caso de Nanda, ela estava em um reality show. Antes de dizer sim, ela fala: "Estou me permitindo ser romântica, tô vivendo a vida." Ou seja, insistir no cara foi uma paixão, um surto. E, sim, todo mundo surta. Normal. O bom é que passa.

Segundo rumores, Fernanda e Thiago já não estão mais juntos. Depois que o comportamento machista do paraquedista viralizou, ela disse: "quando a gente se apaixona, acaba não vendo certas coisas". É verdade. E quem nunca passou por isso que atire a primeira aliança.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL