PUBLICIDADE

Topo

Nina Lemos

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Ao silenciar sobre assédio em 'A Fazenda', Record compactua com o crime

A Fazenda 2021: Nego do Borel assédio dentro do reality, indiciado por agressão do lado de fora. - Reprodução/Playplus
A Fazenda 2021: Nego do Borel assédio dentro do reality, indiciado por agressão do lado de fora. Imagem: Reprodução/Playplus
Conteúdo exclusivo para assinantes
Nina Lemos

Nina Lemos é jornalista e escritora e mora em Berlim. É feminista das antigas e uma das criadoras do 02 Neurônio, que lançou cinco livros e teve um site no UOL no começo de 2000. Foi colunista da Folha de S. Paulo, repórter especial da revista Tpm e blogueira do Estadão e do Yahoo. Escreveu também o romance "A Ditadura da Moda".

Colunista de Universa

20/09/2021 14h50

A cena é de provocar arrepios de horror e nojo. Uma mulher está deitada embriagada e um homem está ao lado dela. Ele toca seu corpo, tenta forçar beijos. Ela diz que não, ele continua insistindo.

O vídeo dessa cena horrorosa não pertence a um filme sobre assédio ou de alguma campanha de alerta. Mas é uma cena do reality show "A Fazenda". Isso aconteceu de verdade e foi protagonizado pelo cantor Nego do Borel na madrugada de sábado. A vítima foi a participante Dayane Mello. Desde então, espectadores do programa passaram a pedir a expulsão do cantor. Até agora, a Record silenciou.

O caso é gravíssimo. Foi, sim, assédio, é só ver a cena (o que não recomendo, porque é gatilho para mulheres) para ter certeza disso.

Alguns artigos sobre o caso falam em investidas, tentativas. Gente, é preciso ficar claro: tocar uma mulher sem seu consentimento não é "tentativa". É assédio. Tudo fica pior quando a mulher está embriagada, vulnerável. Isso é crime.

Ao silenciar sobre o caso, que é o que acontece até agora, a emissora Record compactua com esse crime.

Acusados do ano

A emissora está levando longe demais uma estratégia que criou há alguns anos e que é repulsiva: levar para o programa homens acusados de assédio ou violência doméstica e assim ter engajamento, audiência e ser falado na internet.

Nego do Borel, que foi indiciado por violência doméstica contra a cantora Duda Reis, foi o escolhido da edição deste ano. Ano passado, o escolhido foi o cantor Biel. Na primeira edição do programa, Dado Dolabella, então acusado de violência doméstica por Luana Piovani, ganhou o programa. Marcos Harter, expulso do BBB17 depois de acusações de agressão. No mesmo ano, ele participou do "A Fazenda Nova Chance". Ficou em segundo lugar.

Os executivos da rede Record sabem muito bem que, cada vez mais, mulheres não se calam em casos de abuso. E é possível que, enquanto reclamamos, a emissora comemore. Isso porque nossas campanhas geram engajamento e audiência. É o velho "fale mal mas falem de mim!". Só que, em caso de assédio, isso se torna sério. Além de compactuar com um crime, a rede agride emocionalmente mulheres.

Na sexta-feira, Duda Reis, ex noiva de Nego do Borel, foi até as redes sociais avisar que o cantor tinha sido indiciado por violência doméstica.

"Hoje Nego do Borel foi indiciado por violência doméstica contra mim. Acho que vocês precisam saber disso, principalmente os que duvidam da palavra da mulher e sempre a coloca em questão".

Recentemente, Luana Piovani contou que passou dias de cama chorando ao ver seu agressor, Dado Dolabella, vencer o programa.

A rede Record precisa parar de lucrar com o sofrimento feminino. Todos os limites já foram ultrapassados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL