PUBLICIDADE

Topo

Nina Lemos

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Dado Dolabella: pare de misturar consumo de carne com violência doméstica

Dado Dolabella critica filho de Hortência por praticar hipismo - Reprodução/Instagram/@dadodolabella
Dado Dolabella critica filho de Hortência por praticar hipismo Imagem: Reprodução/Instagram/@dadodolabella
Conteúdo exclusivo para assinantes
Nina Lemos

Nina Lemos é jornalista e escritora e mora em Berlim. É feminista das antigas e uma das criadoras do 02 Neurônio, que lançou cinco livros e teve um site no UOL no começo de 2000. Foi colunista da Folha de S. Paulo, repórter especial da revista Tpm e blogueira do Estadão e do Yahoo. Escreveu também o romance "A Ditadura da Moda".

Colunista do Universa

26/07/2021 13h14

O ator Dado Dolabella já foi acusado de agressão várias vezes. O caso que teve mais repercussão foi o da agressão (filmada por câmeras de segurança) à então namorada Luana Piovani, em 2008. Recentemente, ele pediu desculpas para ela pelo Twitter (!) e disse que um dos motivos por ter agredido a ex-namorada teria sido o fato de comer carne animal. De cara, precisamos explicar. Não, não existe ligação entre o que você come e o fato de você agredir mulheres.

Mas sim, Dado, vegano radical, anda culpando a toxina animal pela violência contra mulher. Agora, ele volta a investir na teoria. Nos últimos dias, Dado bateu boca com a jogadora de basquete Hortênsia. Tudo começou com um comentário dele em relação ao hipismo. A ex-jogadora publicou uma foto de seu filho, João Victor Oliva, para parabenizá-lo pela conquista da melhor nota da história do hipismo brasileiro nos Jogos Olímpicos. O ator resolveu criticar a atitude dela.

Ela respondeu que ele não tinha moral e que era um agressor de mulheres. Os dois trocaram ofensas. E Dado justificou o fato de ter agredido mulheres da seguinte maneira: "50% dos homens agrediram mulheres ano passado. O problema é sistêmico e começa do especismo que você vive."

É assombroso que um agressor de mulheres decida fazer mansplaining e violência contra mulher. Mas mais absurdo ainda é o fato de ele usar teorias e números que não são verdadeiros.

A violência contra mulher é, sim, um problema estrutural. Segundo dados do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, 105 mil mulheres denunciaram violência doméstica ano passado. Mas não, isso "não vem do consumo de toxinas". Isso vem de outra coisa tóxica: o machismo, praticado por homens como Dado, que sempre tirou proveito de sua fama de "bad boy".

Sim, houve um tempo em que esse tipo de personagem fazia muito sucesso. Dado também já foi preso por não pagar pensão para o filho. Ou seja, mais tóxico, impossível.

O ator poderia fazer análise e tentar se tratar e até se arrepender de verdade. Agora, deixe o veganismo fora disso. Fazer essa relação absurda entre ser vegano e por isso não ser violento é danoso, sobretudo, para os veganos sérios, que lutam por causas importantes e sabem muito bem que essa relação não existe.

Fora isso, Dado arrumou uma maneira ótima por achar que não tem culpa por ter agredido mulheres: botar a culpa na carne que ele comia. Que tal?

É absurdo ter que escrever isso: mas existem agressores de mulheres carnívoras, veganos, vegetarianos... Uma coisa não tem absolutamente nada a ver com a outra. Respeitar os animais não quer dizer que você vá respeitar as mulheres. Violência doméstica é coisa séria. Veganismo também.

O que é intolerável é que homens usem desculpas para justificar violência. Já ouvimos um monte de desculpas para esse comportamento, como "eu estava estressado", "ela me batia e era louca" (a desculpa usada pelo DJ Ivis, que agrediu a namorada Pamella Holanda).

É a primeira vez que ouvimos essa desculpa: "foi a carne". E tomara que seja a última.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL