PUBLICIDADE

Topo

Nina Lemos

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Policial atira em protesto contra feminicídio: a prova do ódio a mulheres

Policial faz disparos de fuzil durante manifestação contra feminicídio em Paraty (RJ) - Reprodução
Policial faz disparos de fuzil durante manifestação contra feminicídio em Paraty (RJ) Imagem: Reprodução
Nina Lemos

Nina Lemos é jornalista e escritora e mora em Berlim. É feminista das antigas e uma das criadoras do 02 Neurônio, que lançou cinco livros e teve um site no UOL no começo de 2000. Foi colunista da Folha de S. Paulo, repórter especial da revista Tpm e blogueira do Estadão e do Yahoo. Escreveu também o romance "A Ditadura da Moda".

Colunista de Universa

13/05/2021 04h00

A cena é chocante. Em um vídeo que circula na internet, um grupo de mulheres está reunido em um protesto pacífico contra a violência contra as mulheres. De repente, se escuta barulho de tiros e as mulheres começam a correr. Isso infelizmente é real e aconteceu em Paraty, no litoral do Rio de Janeiro, na segunda-feira.

Um policial armado com fuzil atacou a tiros mulheres que participavam de uma manifestação pedindo a investigação de crimes de feminicídio. O homem saiu armado de dentro da delegacia (ou seja, ele estava trabalhando!) e atirou no chão e também arrancou cartazes.

Ninguém ficou ferido e o policial foi preso no local. O fato de (ainda bem!) ninguém ter se machucado não torna o caso menos alarmante.

Como assim mulheres vão protestar pedindo investigação e o fim da violência contra a mulher e... sofrem essa violência?

Os números de feminicídio no Brasil são assustadores. Em 2020, 648 mulheres foram assassinadas nesse tipo de crime, aquele motivado pelo fato delas serem mulheres. E quando a gente vai pedir justiça corre o risco de morrer em um ataque armado de ódio, e por parte de um policial?

Esse fato é uma metáfora perfeita de como funciona o ódio a mulheres no Brasil e deveria deixar todo mundo chocado.

Que ódio é esse, que faz com que mulheres sejam mortas pelos seus companheiros e ex-companheiros? O mesmo que faz com que feministas sejam odiadas e sofram ameaças de morte diariamente? Se a gente ser mulher já causa ódio, ser mulher e se manifestar em defesa de outras, gera mais ainda. É assustador.

Você vai protestar contra a violência e tem que fugir de tiros em um país democrático e que não está em guerra?

Como disse a filósofa Marcia Tiburi no Twitter: "os tiros do policial são a imagem concreta de como o Estado Patriarcal trata e violência como as mulheres: ajudando a produzi-la."

É curioso, mas o ataque aconteceu no mesmo dia do julgamento histórico do caso da advogada Tatiane Spitzner, morta pelo marido, o biólogo Luis Felipe Manvailer em 2018. O assassino foi condenado a 31 anos de prisão. É raro que o feminicídio seja punido com esse rigor, principalmente quando o acusado é uma pessoa de classe média alta, que pode pagar bons advogados.

Mas, pelo jeito, não temos ainda nada para comemorar. Nossa alegria dura pouco. Como diz a música: "em vez de luz tem tiroteio no fim do túnel. " Às vezes literalmente.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL