PUBLICIDADE

Topo

Nina Lemos

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Sem noção e injustiçada: quem nunca foi Juliette na vida?

Quem nunca sentiu que estava sobrando, foi tentar abrir o coração pra resolver a situação e piorou tudo? - TodaTeen
Quem nunca sentiu que estava sobrando, foi tentar abrir o coração pra resolver a situação e piorou tudo? Imagem: TodaTeen
Nina Lemos

Nina Lemos é jornalista e escritora e mora em Berlim. É feminista das antigas e uma das criadoras do 02 Neurônio, que lançou cinco livros e teve um site no UOL no começo de 2000. Foi colunista da Folha de S. Paulo, repórter especial da revista Tpm e blogueira do Estadão e do Yahoo. Escreveu também o romance "A Ditadura da Moda".

Colunista de Universa

26/03/2021 04h00

"Vitimista", "chata para c*", "cobra". Essas são algumas das palavras que já foram usadas dentro da casa do Big Brother Brasil para definir Juliette. Apesar de ser uma das favoritas para ganhar o programa (na tarde de quinta-feira tinha 49,7% da preferência do público), a maquiadora e advogada é uma espécie de patinho feio do BBB 21.

Sabe aquela colega que falava muito, causava, e por isso sobrava na escola e não era a melhor amiga de ninguém? Juliette é assim. Vai ver é por isso que ela desperta tanta paixão e sentimentos diferentes. Entre os espectadores do programa, raros acham Juliette "mais ou menos". Ela é, ou amada, ou odiada. Por que será?

Talvez porque, em alguma medida, todo mundo já foi um pouco Juliette na vida. Ou vai dizer que você nunca teve uma fase meio chata e meio over? Ou que nunca sentiu que estava sobrando, foi tentar abrir o coração pra resolver a situação e piorou tudo?

Para quem não acompanha o programa, Juliette, ao entrar na casa, foi alvo de bullying da turma formada por Karol Conká, que, entre outras coisas, fez comentários xenófobos em relação ao tom de voz (alto) da atriz. Sim, a paraibana já teve que lidar até com piadinhas em relação ao seu sotaque.

Depois de enfrentar o grupo que era formado por Karol e Projota e era chamado de "Gabinete do Ódio", ela se aproximou de Sarah e Gilberto e conseguiu ser um pouco popular, como se fosse convidada para sentar na mesa das "descoladas" em um filme de escola americana. Durou pouco. Hoje, a ex-amiga Sarah está entre as que mais falam mal dela. "Peguei ranço, não adianta", disse outro dia. Até as amigas mais próximas, como a youtuber Viih Tube, detonam Juliette. Ninguém gostaria de estar na pele dela.

Juliette é, sim, meio chata. Apesar de também ser simpática, genuína, original. E, se comparada com outros participantes do programa, seus erros foram mínimos. A mesma Sarah que "pegou ranço" da maquiadora, por exemplo, é aquela que fez piada com a pandemia do coronavírus e disse não respeitar o isolamento social. E machistas como Arthur e Rodolffo, que além de tudo já foram claramente homofóbicos no programa, não são tão odiados e isolados dentro da casa como ela. Na verdade, eles nunca perderam a "popularidade" lá dentro, nunca deixaram de ser os "maiorais".

Rodolffo, por sinal, já fez o seguinte comentário a respeito de Juliette: "pelo Instagram eu te pegava". Ou seja, você é bonita, mas é chata. Sim, Juliette parece a garota da escola que sofre bullying do bonitão.

Muitos de nós se identificam com ela. Fora isso, claro, existe o voto vingança. Imagina a cara de todos esses participantes que a maltratam se ela ganhar? Imperdível. Se isso acontecer, vai ser um tipo de "a vingança dos nerds."

Errata: o texto foi atualizado
Juliette é paraibana, e não pernambucana, como informamos inicialmente.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL