PUBLICIDADE

Topo

Nina Lemos

"Atacada": Melania Trump é criticada por machismo ou por seu comportamento?

Melania está casada com Trump desde 2005 - Getty Images
Melania está casada com Trump desde 2005 Imagem: Getty Images
Nina Lemos

Nina Lemos é jornalista e escritora e mora em Berlim. É feminista das antigas e uma das criadoras do 02 Neurônio, que lançou cinco livros e teve um site no UOL no começo de 2000. Foi colunista da Folha de S. Paulo, repórter especial da revista Tpm e blogueira do Estadão e do Yahoo. Escreveu também o romance "A Ditadura da Moda".

Colunista de Universa

13/01/2021 04h00

Melania Trump, a primeira-dama dos Estados Unidos, não costuma falar sobre política ou temas polêmicos. Essa semana, ela abriu uma exceção.

Agora que o bicho está pegando e seu marido corre risco de impeachment, ela deixou de lado o estilo "não me meto" (ela é famosa por ter usado uma jaqueta onde estava escrito: "I really don't care, "eu realmente não ligo" em tradução livre) para condenar a invasão do Capitólio. Ela criticou o uso da violência e prestou solidariedade à família dos mortos. Sua carta, divulgada no site oficial da Casa Branca e no Twitter, parece também uma carta de despedida do posto. Ela aproveitou e disse estar sendo atacada.

"Estou desiludida e destroçada com o que aconteceu na semana passada. Considero vergonhoso que, em torno destes trágicos acontecimentos, tenha havido mexericos, ataques pessoais injustificados e falsas acusações sobre mim - de pessoas que procuram ser relevantes e ter uma agenda".

Ela não detalhou a que tipo de ataques pessoais se refere. Mas ela vem sendo criticada porque na hora da invasão estava participando de uma foto sobre tapetes do Capitólio. Uma ocupação fútil demais para o momento em que o país estava literalmente quase pegando foto.

"Cadê as feministas?"

A primeira-dama parece também estar clamando por sororidade de parte das outras mulheres. Estava demorando. Muitas mulheres que desprezam o feminismo gritam "cadê as feministas" quando são atacadas. Esquecem que não somos uma central de ajuda e que nem todas as críticas ou "ataques" são causadas pelo machismo.

É claro que Melania, assim como qualquer outra mulher no mundo, não pode ser responsabilizada pelos erros do marido e seus surtos autoritários. Fazer isso seria, sim, machismo.

E é claro também que o tratamento que as primeiras-damas recebem costumam ser absurdamente machistas. Os artigos sobre os quatro anos do "mandato" da primeira-dama comentam suas roupas e discutem se ela deixou ou não um "legado fashion''. Se isso é machista? Muito.

Agora, no caso de Donald Trump ter incitado a turma a agir com violência no Capitólio e continuar dizendo que as eleições foram roubadas, é claro que a culpa não é de Melania.

Só que, em seu pronunciamento, ela lamenta as mortes, mas em nenhum momento se manifesta sobre o papel que Donald Trump, seu marido, teve na invasão. Em outras palavras, ela passa pano.

Quem acredita em feminismo, acho, respeita as mulheres como seres autônomos, donos dos seus próprios narizes Então, se Melania continua passando pano para o marido presidente, vai receber críticas sim. Normal.

E, claro, se Trump for, por exemplo, investigado por corrupção e for provado que ela fez parte do esquema, ela deve, claro, pagar pelos seus atos.

Um exemplo. Quando Collor foi presidente (sim, eu lembro!), a então primeira-dama Rosane Collor era conhecida por suas roupas de luxo e por gastar muito dinheiro nisso. Em uma ocasião, ela fretou um avião para que sua estilista favorita fosse para Brasília e foi muito criticada por isso. E com razão, não?

Claro, qualquer ataque que se valha do fato de uma primeira-dama ser mulher para ofendê-las deve ser repudiado. O resto, bem, todos os dias fazemos nossas opções. Até mesmo a de casar com Donald Trump.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL