PUBLICIDADE

Topo

Morango

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Ela viralizou em vídeos com a filha e com a namorada da filha

Emiliana e a filha, Maria Eduarda - Marcela Barreto/Instagram
Emiliana e a filha, Maria Eduarda Imagem: Marcela Barreto/Instagram
Conteúdo exclusivo para assinantes
Ana Angélica Martins Marques

Ana Angélica Martins Marques

https://universa.uol.com.br/colunas/morango

Ana Angélica Martins Marques, a Morango, é mineira de Uberlândia, jornalista, fotógrafa e DJ. É também autora do livro de contos Quebrando o Aquário. Passou pela décima edição do Big Brother Brasil e só foi eliminada porque transformou o temido quarto branco no maior cabaré que você respeita. É vegetariana e cuida de três filhos felinos: Lua, Dylan e Mike.

Colunista do UOL

04/11/2021 04h00

Maquiadora, designer de sobrancelhas e mãe, Emiliana Pádua, 37, encontrou nas redes sociais uma forma de ficar ainda mais próxima da filha, Maria Eduarda, que hoje tem 17 anos. Juntas, as duas estão fazendo o maior sucesso na internet. Para se ter uma ideia, só no TikTok as interações leves e divertidas entre mãe e filha já têm quase 3 milhões de curtidas. Mas nem sempre foi assim.

Ao engravidar bem jovem, aos 19, Emiliana desejava ser respeitada e validada como mãe, mas admite ter cometido muitos erros durante esse processo. "A Duda foi uma criança que apanhou muito na infância porque eu queria o tempo todo me provar como mãe para o pai dela e para a minha família. Fui casada com o pai dela por 13 anos, e a gente se separou logo após a oficialização do nosso casamento. Nesse período, eu estava muito magoada e descontando muitas coisas na Duda. Algumas situações me fizeram acordar e trazer a minha filha para perto de mim. Com isso, nossa relação foi melhorando, e eu comecei a postar nas redes sociais", conta.

Algumas situações me fizeram acordar e trazer a minha filha pra perto de mim.

Ser popular na internet não estava nos planos, mas aconteceu —tudo começou há dois anos. "Em 2019, quando a Duda fez 15, eu queria realizar o sonho dela, que era ir ao show do BTS, em São Paulo. A gente comprou ingressos falsificados, deu problema na hora de entrar e tive que me virar pra comprar e fazer acontecer."

Mãe e filha são de Brasília (DF), a 600 quilômetros da capital paulista, onde o grupo sul-coreano iria se apresentar. Do perrengue até a apoteose com os ídolos, a história em vídeo das duas acabou conquistando o coração de internautas, especialmente de fãs da boyband, que começaram a seguir massivamente o perfil de Emiliana no Instagram.

O BTS, amado por 9 entre 10 adolescentes no Brasil, aliás, foi responsável por estreitar ainda mais os laços entre mãe e filha.

"Depois que eu conheci o BTS com a Duda, ficamos mais próximas. Em maio do ano passado, no auge da pandemia, sugeri que fizéssemos umas dancinhas e gravássemos umas músicas em comemoração a um ano do show deles e um ano da nossa relação assim. A tudo isso que transformou a nossa vida. E aí foi a primeira vez que eu viralizei no TikTok, por conta das dancinhas do BTS com a Duda." Na plataforma, Emiliana tem mais de 160 mil seguidores.

Dancinhas e representatividade

Além de coreografias e vídeos divertidos, Emiliana publica nas redes reflexões ligadas à maternidade. Quando a filha se reconheceu bissexual, a influenciadora, que já defendia a causa LGBTQIA+, se viu diante de um novo desafio: a desconstrução.

@emilianapadua

Entrando na trend com a namorada da minha filha

♬ Love Nwantiti(Dance Ver) - FYP

"Tenho dois sobrinhos e uma irmã que são homossexuais. Tive de lidar com esse sentimento muito antes de a Duda assumir para mim. É uma bandeira que eu sempre levantei. Mas quando a minha filha falou que estava ficando com meninas, eu não acreditei. Foi um pouco estranho aceitar isso. A gente passa uma vida inteira acreditando numa coisa e então tem que quebrar, desconstruir e começar do zero. Dói muito mais. Até mesmo eu, que já vinha de uma família fazendo esse trabalho, quando chegou a vez da minha filha não foi imediato um 'tudo bem, vai lá, namora quem você quiser'", revela.

'Acolher a minha nora foi natural'

A influenciadora explica que o que a livrou definitivamente do preconceito foi o amor pela filha. "O amor pelo seu filho tem que ser maior do que o seu preconceito. Hoje consigo ser amiga sem perder o respeito da maternidade. Aprendi a respeitar minha filha como ela é. E respeitando como ela é, acolher a Tina como nora foi leve e natural."

Emiliana e a filha, Maria Eduarda  - Marcela Barreto/Instagram - Marcela Barreto/Instagram
Emiliana e a filha, Maria Eduarda
Imagem: Marcela Barreto/Instagram

Ame seus filhos, mas ame-os genuinamente. Sem impor condições, expectativas e sem projetar seus sonhos neles. Amando seus filhos assim, também será fácil amar quem eles decidirem amar.