PUBLICIDADE

Topo

Mayumi Sato

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Ficar sem transar ajuda no autoconhecimento ou só aumenta a ansiedade?

Há pessoas que não se interessam por sexo e outras que decidiram dar uma pausa -  Jakob Owens/Unsplash
Há pessoas que não se interessam por sexo e outras que decidiram dar uma pausa Imagem: Jakob Owens/Unsplash
Conteúdo exclusivo para assinantes

Mayumi de Andrade e Silva Sato

Colunista do UOL

12/06/2022 04h00

Sempre abordo aqui na coluna temas voltados a sexo, comportamento e relacionamentos. Mas e quem não transa?

Não se interessar por sexo ou não querer transar é comum e absolutamente normal para muita gente. Uma pesquisa conduzida pelo biólogo sexólogo Anthony Bogaert, em 2004, mostrava que ao menos 1% da população mundial não tinha interesse em sexo.

Já no Brasil, segundo o ProSex (Programa de Estudo da Sexualidade), do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, 7,7% das mulheres e 2,5% dos homens em idades entre 18 e 80 anos não possuem interesse em manter relações sexuais, sendo considerados assexuados.

Por outro lado, há quem opte por "dar um tempo", ou se veja obrigado a dar uma pausa na vida sexual, coisa que aconteceu com grande parte do mundo após o início da pandemia de Covid-19.

Conversei com três pessoas que passaram por isso: o Daniel e o Alexandre, que tiveram a sua frequência sexual impactada pela pandemia, e a Daphyne, que num processo pessoal de autoconhecimento se descobriu demissexual.

Daniel Ferro, 44 anos, diz ter feito uma pausa na vida sexual por conta do isolamento, ficando cerca de 18 meses sem se relacionar sexualmente com alguém. Segundo ele, sua última experiência foi incrível, mas depois disso se sentiu em uma espécie de "limbo sexual". "Acabou com a minha autoestima, precisei partir para a terapia e me reencontrar, me descobrir sexualmente interessante."

Ele, que considera o sexo fundamental, passou a ver a relação com outros olhos: "Depois de ter ficado tanto tempo sem sexo, descobri que não chega a ser imprescindível. A masturbação é um paliativo. O sexo sempre foi supervalorizado na sociedade, mas nunca foi um fator influenciador".

Alexandre, 32 anos, passou por algo parecido. Pensando na sua segurança durante a pandemia, optou por não se relacionar sexualmente com outras pessoas. "Havia uma decisão em questão, em prol de mais segurança durante uma quarentena intensa e isolada. Depois disso, o que justificava era a espera pela vacina e, então, esperar um pouco mais pela segunda dose."

Ele conta que ficar sem sexo acabou gerando alguns bloqueios: "Diria que atrapalhou minhas emoções, por eu ser alguém bem sexual [...]. Sexo é uma parte importante de como me relaciono com a vida e com as pessoas".

Já Daphyne, 32 anos, conta que demorou para entender que a falta de sexo era uma decisão. Ela, que iniciou a vida sexual em um namoro, após o término não conseguiu se relacionar sexualmente com mais ninguém, ficando cerca de três anos sem transar. "No começo, achava que era porque as pessoas que eu queria não se sentiam atraídas pelo meu corpo. Levei muitos anos para entender que eu era demissexual e, na verdade, eu não tinha interesse em sair com pessoas com quem eu já não tivesse desenvolvido alguma proximidade emocional."

Será que a falta de sexo pode afetar a saúde psicológica? O dr. Jairo Bouer comenta que sim: "Durante a pandemia, muita gente chegou a ficar preocupada com os possíveis problemas que o período 'de seca' poderia gerar".

Segundo ele, em alguns casos, pode haver um aumento de ansiedade, diminuição na libido e modificações no ciclo de sono. "Talvez sexo seja a última coisa em sua mente quando você está sob estresse. Mas ele pode ajudar a diminuir a sua ansiedade. O sexo parece diminuir a quantidade de hormônios que o corpo libera em resposta ao estresse, seja pelo prazer que ele gera ou pelo bem-estar proporcionado pela conexão com o outro."

E você? Também já ficou um bom tempo sem transar?

Quanto tempo foi e como isso te afetou? Deixa aqui nos comentários!

Mayumi Sato