PUBLICIDADE

Topo

Mayumi Sato

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Apps e algoritmos te ajudam a flertar e acertam mais que os amigos

Morsa Images/Getty Images
Imagem: Morsa Images/Getty Images
Conteúdo exclusivo para assinantes
Mayumi Sato

Mayumi Sato é meio de exatas, meio de humanas. Pesquisadora e diretora de marketing do Sexlog quer ressignificar a relação das pessoas com o sexo e, para isso, acredita que é preciso colocar a mão na massa, o que inclui decodificar o comportamento humano. Ao longo dos anos, estudando e trabalhando com o mercado adulto, passou a fazer parte de uma rede de mulheres interessadas e ativistas no assunto, por isso sabe que não está "não estamos" só. Idealizadora do cínicas (www.cinicas.com.br) e feminista sex-positive.

Colunista de Universa

22/08/2021 04h00

A empresa de cybersegurança Kaspersky realizou, esse ano, o estudo "O amor na era do algoritmo", entrevistando mais de 18 mil pessoas em 27 países sobre quão confiantes elas estão sobre o uso de inteligência artificial para ajudá-las a encontrar o verdadeiro amor. O resultado: 44% dos entrevistados confiam e 54% acham que os aplicativos facilitam os seus dates.

Inspirada nesse estudo, encomendei uma pesquisa ao Sexlog, rede social de sexo brasileira, que acaba de lançar uma novidade para quem, por aqui, também confia nos tais "robozinhos" para encontrar o seu par ideal: um algoritmo de compatibilidade que promete sugerir pessoas com mais de 80% de afinidade para que os bate-papos sejam mais certeiros e deles surjam encontros reais:

"Nosso objetivo é conectar pessoas compatíveis, com os mesmos fetiches e desejos e o uso da inteligência artificial vem tornando o processo muito mais rápido e eficaz. Nossa modal de compatibilidade tem o poder de rastrear, entre os mais de 15 milhões de cadastros, aqueles que mais combinam com você. Com uma base de dados tão grande quanto essa, a automatização é imprescindível para alcançarmos resultados cada vez melhores.", contou Glauber Oliveira, líder do time de cientistas de dados do Sexlog.

Para a pesquisa encomendada foram entrevistadas 3.997 pessoas e 88% delas disseram confiar no uso de inteligência artificial, sendo que 62% acreditam que o algoritmo é capaz de acertar mais do que seus próprios amigos!

Será que a gente está sendo mais sincero nas redes sociais do que entre nossos amigos reais mais próximos? Não sei, mas esse grau de confiança na tecnologia me surpreendeu!

Outro dado interessante é que 56% das pessoas prefere conhecer alguém através de apps contra 44% que ainda prefere baladas e barzinhos. A maior parte também acredita que, à medida em que mais pessoas usarem essas ferramentas, elas terão mais parceiros durante a vida e poderão, também, ter mais parceiros ao mesmo tempo!

Talvez a tecnologia seja o empurrãozinho que faltava pra gente começar a encarar relações não monogâmicas com mais naturalidade.

Por outro lado, há quem esteja atento aos riscos desse tipo de novidade e levanta alguns pontos importantes a serem observados:

36% admitem que ficarão mais preguiçosos para conhecer outras pessoas e 31% acha que vai desaprender a paquerar sem aplicativos!

"O risco de encontros com pessoas falsas é maior. Gera insegurança!"

"As pessoas estão vivendo tão na defensiva que o app se tornou a única forma de aproximação segura, não sei se a longo prazo é saudável."

"Ficamos totalmente envolvidos em uma bolha artificial, impedindo que possamos experimentar coisas diferentes do que estamos acostumados. Perde-se a novidade de experimentar novas opções, perdendo assim a capacidade de discernimento e de escolher. Não é saudável ter relações pessoais pré-definidas."

"Tudo vai depender da sinceridade da pessoa no aplicativo. Com os mesmos objetivos as relações durarão da mesma forma que ocorrerá pelos meios convencionais."

E você, o que acha do uso de inteligência artificial pra encontrar o seu próximo date ou romance? Já usou ou pretende usar? Me conta nos comentários!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Mayumi Sato