PUBLICIDADE

Topo

Mayumi Sato

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Não monogâmicos: casal conta sobre a decisão de viver uma relação diferente

Giovanna e Luis vivem uma relação não monogâmica - Arquivo pessoal
Giovanna e Luis vivem uma relação não monogâmica Imagem: Arquivo pessoal
Mayumi Sato Mayumi de Andrade e Silva Sato

Mayumi Sato é meio de exatas, meio de humanas. Pesquisadora e diretora de marketing do Sexlog quer ressignificar a relação das pessoas com o sexo e, para isso, acredita que é preciso colocar a mão na massa, o que inclui decodificar o comportamento humano. Ao longo dos anos, estudando e trabalhando com o mercado adulto, passou a fazer parte de uma rede de mulheres interessadas e ativistas no assunto, por isso sabe que não está "não estamos" só. Idealizadora do cínicas (www.cinicas.com.br) e feminista sex-positive.

Mayumi de Andrade e Silva Sato

Colunista de Universa

23/05/2021 04h00

Nesta semana, após o falecimento do MC Kevin, rolou uma grande discussão no Twitter acerca do papel da monogamia em seu falecimento. "A monogamia mata", alguém disparou por lá. A partir daí foi um pega-pra-capar: muitas respostas, retuítes e memes tratando a declaração com deboche e indignação. Com toda razão, diga-se de passagem.

Mas, a questão, não é nem a declaração em si, que provavelmente foi feita só para polemizar mesmo. A questão é que dá para ver que o assunto engaja e acaba gerando reflexões interessantes. Sobre o que é exatamente a monogamia, para quem ela funciona, para quem não funciona... Pessoalmente, acho interessante observar esse tipo de interesse brotar, às vezes, até de uma declaração infeliz como essa.

Mas como na prática a teoria é outra, o que mais me interessa é conhecer gente de verdade que vive esse tipo de relação pra além do debate on-line. Como o padrão de relacionamento é a monogamia, para a não monogamia as possibilidades são infinitas. São acertos e dinâmicas muito íntimas e, conhecê-las, me dá sempre um ar de novidade, de estar conhecendo um universo todo novo.

Hoje, o universo é da Giovanna, de 21 anos, e do Luis de 29 anos. Eles moram em Santa Teresa, no Rio, e estão juntos há quatro anos. A Giovanna trabalha como atendente e o Luis é assessor de mídias e eles definem a relação dos dois como "não monogâmica". Eles contaram um pouco sobre a vida a dois:

Como tudo começou

"Acreditamos que o outro é livre para decidir sobre seus desejos e vontades. Se algo novo acontece, estamos dispostos a conversar, deixando tudo previamente esclarecido.

Chegar nesse combinado foi algo natural, que surgiu no começo da relação. Começamos como um casal liberal que adorava se divertir em baladas e no Carnaval, beijando todas as pessoas possíveis, para uma relação aberta e chegamos na não monogamia.

Tudo começou de uma brincadeira, onde acabamos ficando com pessoas na balada. Dali em diante, conversamos sobre a possibilidade de continuar. Não conseguimos dizer quem deu o primeiro passo, mas ficamos alegres por ter acontecido.

Hoje entendemos uma relação não monogâmica como uma relação muito séria, não só conosco, mas com as pessoas envolvidas. A responsabilidade afetiva é enorme, por isso decidimos deixar nossos sentimentos explícitos para todos."

Traição, ciúme e insegurança

"A traição pode existir quando fazemos algo escondido que poderia mudar algo na relação, ou fazer algo e depois falar. Como brincamos quando respondemos isso, que é comer pizza e não levar um pedaço para o outro.

Ciúme é normal, insegurança também, ajudem um ao outro a lidar com isso e sejam felizes e independentemente da opinião alheia."

Dicas para casais que querem testar algo novo

"Conversar, estar aberto a ouvir e tentar coisas novas. Não existe um modelo de como abrir a relação, cada um tem seu jeito. Prezem pelos direitos iguais entre ambos, respeitem a sexualidade de cada um, não tentem tirar proveito do (a) parceiro (a). Se divirtam, se amem!

O casal precisa pesquisar a respeito e tentar esquecer a "fórmula de um relacionamento monogâmico perfeito".

Vemos muitas pessoas questionando sobre o que outras pessoas vão pensar ou argumentando que não é certo você amar uma pessoa e ainda assim se sentir atraída por outra... na monogamia é algo impossível, sem perdão, mas não precisa ser assim."

A Giovanna e o Luis são superabertos a compartilhar suas histórias e eles fogem do tom de polêmica que o Twitter tende a despertar nas discussões. Se quiser conhecer mais sobre eles, vai rolar uma live no Instagram do Encontro de Casal, no dia 9 de junho. Aproveita para conhecê-los e mandar a sua pergunta! Ah, e conta aí nos comentários: Para você, monogamia funciona? Sim ou não?

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Mayumi Sato