PUBLICIDADE

Topo

Mayumi Sato

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Sexualmente livres: o que mulheres do meio liberal querem de Dia das Mães

Sex toy e noite sozinha estão na lista de presentes pedidos pelas mães do site - Getty Images
Sex toy e noite sozinha estão na lista de presentes pedidos pelas mães do site Imagem: Getty Images
Mayumi Sato

Mayumi Sato é meio de exatas, meio de humanas. Pesquisadora e diretora de marketing do Sexlog quer ressignificar a relação das pessoas com o sexo e, para isso, acredita que é preciso colocar a mão na massa, o que inclui decodificar o comportamento humano. Ao longo dos anos, estudando e trabalhando com o mercado adulto, passou a fazer parte de uma rede de mulheres interessadas e ativistas no assunto, por isso sabe que não está "não estamos" só. Idealizadora do cínicas (www.cinicas.com.br) e feminista sex-positive.

Colunista de Universa

09/05/2021 04h00

Pra quem não tem filhos, assim como eu, a chegada do Dia das Mães pode servir como um período de reflexão sobre esse universo desconhecido que é a maternidade. Eu não planejo ser mãe e, apesar de sempre ter uns e outros ainda surpresos com esse tipo de declaração, sinto que cada vez mais as pessoas respeitam essa escolha.

Ainda assim, penso que isso não me exime da responsabilidade de compreender o que é ser mãe: o que muda dentro de você e no seu entorno e os impactos que a nossa estrutura social têm sobre essas mulheres. E me sinto responsável por colaborar com o reconhecimento de que existe preconceito, sobrecarga e sobretudo muita incompreensão sobre as suas realidades. Os estereótipos do que é ser mãe estão em toda parte e muitos deles dizem respeito, também, à sexualidade. Para ajudar a quebrar esses paradigmas, encomendei uma pesquisa ao Sexlog, respondida por 3.565 mulheres, casadas e solteiras, todas com filhos: 45% delas com crianças de 0 a 10 anos, 28% com filhos de 11 a 18 anos e 26% com filhos com mais de 18 anos.

Dentre as pesquisadas, 51% declara que a sua relação com o desejo e a sexualidade mudou para melhor depois da maternidade. Para 41% nada mudou e 9% diz que mudou para pior.

Simone de Beauvoir considerava que "não existe 'instinto' materno: a palavra não se aplica de forma alguma à espécie humana. A atitude da mãe é definida pelo conjunto de sua situação e pela maneira pela qual ela se assume. E é, como vimos, extremamente variável."

Da mesma forma, não parece existir uma definição única de como se desenrola a questão da sexualidade para aquelas que se tornam mães. Por isso, acho fundamental ouvi-las antes de tirar qualquer conclusão.

Sobre o que exatamente mudou, elas dão mais detalhes:

Quem teve melhora na vida sexual destacou:

"Conheço melhor meu corpo e comecei a me masturbar"

"Tenho muito mais vontade de fazer sexo!"

"Aprendizado e amadurecimento"

"Fiquei com mais tesão"

"Sou mais livre, com desejos bem mais aguçados, novas descobertas no âmbito sexualidade, me sinto sensual e melhorou o orgasmo, não sei se pela maternidade ou por estar mais madura"

Quem sentiu piora ressaltou:

"Sem tempo para eventuais encontro, prazer etc."

"Falta disposição, surgiram alguns pudores, medos"

"Filho requer muita atenção, a vida sexual ficou em segundo plano"

"Logo após a maternidade minha libido despencou e ficou assim por anos. Agora que meus filhos estão com 16 e 19 anos que as coisas melhoraram, o desejo reacendeu com tudo"

Vale lembrar que a pesquisa foi feita num universo de mulheres que fazem parte de uma rede social de sexo, e que portanto, lidam com o tema de uma forma mais aberta onde desejos e fetiches fazem parte do seu repertório de forma natural, o que naturalmente impacta sua visão.

A propósito, perguntei se elas sentem algum tipo de preconceito dentro do meio liberal e 85% disse que não e 15% disse que sim. Os motivos:

"Ser mãe solteira;

"Sem saber nada já acham que somos velhas e acabadas"

"Vários... Desde achar q não teremos tempo livre ou achar que precisamos de dinheiro pra pagar coisas para os filhos"

"Que por sermos mães não temos mais desejo ou somos largas"

"Preconceito físico, cicatriz da gravidez! E questão de tempo, por nem sempre conseguir sair"

"Alguns homens acham q no site não é lugar pra quem é mãe devido a nem sempre ter horário disponível para eles, são sem noção"

"Sair pro mundo liberal é mais difícil. Marcar coisas boas, um motel sem pressa... essas coisas"

Pois é, e engana-se quem pensa que, por serem mães, elas têm desejos e fantasias limitadas. Pois muito pelo contrário! Elas citaram o que desperta tesão em muitas delas:

"Ficar com dois homens ao mesmo tempo"

"Ser totalmente dominada e sentir muito prazer"

"4 homens ao mesmo tempo"

"Fazer amor com uma mulher trans"

"Transar com muitas pessoas numa festa..."

"Ser amarrada"

"Eu adoro homens mais velhos, gostaria de encontrar um homem passivo"

Pra finalizar, quem ainda acha que é fácil escolher um bom presente para o dia das mães, que é só pesquisar uma coisinha ali na loja de produtos para o lar: trata de tirar o cavalinho da chuva! Elas compartilham aqui, o que adorariam ganhar esse ano:

"Um sextoy e uma noite sozinha"

"Uma viagem"

"Notebook e celular"

"Vacina pra todos, pra podermos confraternizarmos direito!"

"Um Gang bang com dotados"

"Este ano eu gostaria de ganhar um ensaio fotográfico"

"Uma lingerie e um plug"

"Um macho bem gostoso"

E você, já escolheu como vai homenagear a sua mãe? Ou, se é mãe, se identificou com os relatos? Compartilha nos comentários!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Mayumi Sato