PUBLICIDADE

Topo

Histórico

Luciana Bugni

Andressa Suita e Gusttavo Lima: divórcio é ruim, ficar separado é pior?

Gusttavo Lima e Andressa Suita em Angra dos Reis - Instagram
Gusttavo Lima e Andressa Suita em Angra dos Reis Imagem: Instagram
Luciana Bugni

Luciana Bugni é gerente de conteúdo digital dos canais de lifestyle da Discovery. Jornalista, já trabalhou na "Revista AnaMaria", no "Diário do Grande ABC", no "Agora São Paulo", na "Contigo!" e em "Universa", aqui no Uol. Mora também no Instagram: @lubugni

Colunista do UOL

22/01/2021 11h59

No começo da quarentena, lá no longínquo inverno de 2020, houve um boom de divórcios. Casais que estavam juntos há 40 anos perceberam que não se conheciam lá tão bem ou, pior, que não gostavam tanto assim de ficar juntos. Nessa época, parece que valia a máxima: antes isolado do que mal acompanhado.

Sabe como é: o entra e sai de casa ajuda a disfarçar um casamento que não vai lá muito bem. Mas experimente trancar dois seres humanos que vivem juntos há alguns anos num apartamento e verá o resultado. Bom, não precisa experimentar, quem é casado já ficou pós-graduado em quarentena de casal. Ou se divorciou no ano passado porque não aguentou o tranco.

Foi o que aconteceu com Gusttavo Lima, o cantor que era/foi/é casado com Andressa Suita. Um dia ele acordou a mulher (que tem filho pequeno, isso é imperdoável) e disse que queria se separar. Muito se especulou sobre os motivos — quando um homem quer sair de casa, a gente logo acha que tem outra mulher na jogada, o que nem sempre é verdade. Um divórcio acontece assim tão de repente?

Andressa seguiu a vida normal no Instagram. Não ficou lamentando o pós-separação, seguiu cuidando dos filhos e sendo linda, que é, como modelo, sua profissão. Choveu like de apoio, de admiração e de torcida.

Depois do divórcio vem o retorno?

Dois meses depois, um fã filmou os dois em uma festa, num barco. No dia do aniversário dela, o cantor postou duas taças. O colega sertanejo Zé Felipe afirmou que eles voltaram. Stalkers de famosos não precisam de meia evidência para tirar conclusões, imagine uma coletânea delas...

Não é o primeiro divórcio de quarentena com casal ensaiando reconciliação. Parece uma tendência, às vésperas do aniversário do dia em que um vírus letal invadiu os ares do planeta. A fórmula parece ser mais um menos essa aqui:

Era insuportável ficar junto -> a separação foi um alívio -> os meses sozinhos se acumularam -> a solidão ficou insuportável -> reatar é a solução.

Quem já se divorciou alguma vez na vida sabe que isso passa mesmo pela cabeça de todo mundo. A sensação de liberdade logo dá lugar a um banzo que inclui até a saudade das coisas que mais te irritavam no parceiro. Em pandemia, quando nada de novo acontece, isso é turbinado. Aí há dois caminhos: lembrar do que era ruim ou esquecer os problemas e voltar correndo para eles.

Uma amiga que mora há anos sozinha disse que não estava mais suportando a solidão. Todo mundo começou a sonhar com ex dia sim, noite de sono também. Sabe aquele meme: estava ruim, estava bom, parece que piorou? E se piorou, quem sabe melhora junto?

Quer dizer, estou falando de relações saudáveis, que terminam numa boa. Relacionamentos abusivos dificilmente se transformam para melhor com o tempo. Aí é melhor entender a solidão de uma maneira mais libertadora ainda. E não arriscar voltar para o fundo do poço — Deus nos defenda.

Tomara que Suita e Gusttavo estejam felizes com a escolha. Que haja diálogo para que ele entenda o que o levou a partir uns meses atrás. E que, juntos, eles saibam viver a segunda metade da pandemia entendendo que um casamento é difícil demais, mas conversando e cedendo tem solução. E aí, parece que melhorou.

Encarar os problemas do casamento, da quarentena, da nossa solidão é sempre a melhor saída. Ou a gente fica fugindo de nós mesmos o tempo todo — e o pior é que a gente sempre está lá nos lugares para onde escapa...

Gusttavo pode mudar a letra da música: "Melhor terminar, cada um por si, às vezes é o recomeço e não o fim".

A gente pode falar mais do assunto no Instagram.