PUBLICIDADE

Topo

Juliana Borges

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Save the date: 'Ei, convidado, vai confirmar presença quando?'

porcorex/Getty Images/iStockphoto
Imagem: porcorex/Getty Images/iStockphoto
só para assinantes
Juliana Borges

Juliana Borges é escritora, feminista e pisciana, logo, romântica e sonhadora. Já chegou a negar a instituição casamento, mas está noiva e já pensando em filhos. É fã de Beyoncé, Nina Simone e Miles Davis. Autora dos livros "Encarceramento em Massa" (2019) e "Prisões: Espelhos de Nós" (2020).

Colunista de Universa

30/05/2022 04h00

Primeiro, sofremos muito para conseguir fechar uma lista que não nos leve à falência com a festa. Depois de definida, vem a definição do envio do "save the date". Como será o convite, como será o texto, se cada um envia aos amigos ou se enviamos juntos, se teremos site e qual o site, como será a lista de casamento.

Daí, enviamos o "save the date" e uma coisa que ninguém me avisou que aconteceria, aconteceu: a insegurança sobre a confirmação dos convidados.

Se tem uma coisa que todo mundo adora é uma boa festa. Não tenho dúvidas disso. E também é verdade que fomos bastante criteriosos com a nossa lista. Afinal, como já disse aqui algumas vezes, queremos que nosso dia seja sereno e festivo, com muita energia positiva de nossa parte, mas também de todos os convidados.

Mas, não sei por quê cargas d'água, eu estou absolutamente ansiosa sobre a confirmação das pessoas. E a coisa ainda piora porque a cada confirmação, recebemos uma notificação. E, no meu caso, isso está implicando em olhar a notificação, ir até a lista e olhar todos os nomes e me perguntar "e quem ainda não confirmou?".

O prazo para as confirmações é grande, mas aquela sensação de que todos deveriam ter confirmado no exato momento em que receberam o "save the date" permanece.

Alguém me diz, por favor, que também sentiu/sente isso? Eu estou pirada? Bom, que eu estou meio pirada é um fato. Eu jurava que era uma boa multitarefa. Até decidir me casar e fazer uma festa. E, confesso, já pensei em mandar um e-mail para todes dizendo que decidimos viajar.

Mas, também já tive o desejo, fortíssimo, de ser uma socialite que pode contratar uma gigantesca equipe para lidar com todos os dramas do casamento. Sim, eu já pensei em terceirizar absolutamente todo o possível e só chegar plena no hotel para me arrumar no dia da cerimônia.

Tudo tem parecido uma corrida contra o tempo. E, ao que parece, o tempo não está muito colaborativo atualmente. Ele voa, sem nenhuma preocupação com a minha ansiedade.

E, para terem ideia, enquanto escrevia essas surtadas palavras, eu recebi uma notificação e fiz todo o itinerário confere-a-lista-confere-nomes-confere-quem-não-confirmou.

Esse é o meu "mood" do momento. A espera. A vontade de sair questionando as pessoas "vai confirmar ou não vai?", com um sorriso fofo e singelo de "entenda essa noiva ansiosa" é grande. Será isso algo normal? Espero, profundamente, que sim.