PUBLICIDADE

Topo

Fabi Gomes

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Batom na bochecha: mais uma manobra para conquistar biscoitos nas redes?

Truque do Tik Tok ensina um jeito "diferentão" de usar blush - Reprodução Tik Tok
Truque do Tik Tok ensina um jeito "diferentão" de usar blush Imagem: Reprodução Tik Tok
Fabiana Gomes

Fabi Gomes é maquiadora e bonne vivante ? gosta de das coisas boas da vida, como artes, literatura, sexo, cinema, culinária, viagens. Está sempre atenta ao poder transformador e aos rumos da beleza.

Colunista de Universa

14/03/2021 04h00

Realmente, a internet não para de... nem sei como dizer. Inventar moda? Mas inventar moda bem naquele sentido que o povo mais antigo usa, sabe? Inventar moda pra querer pagar de diferentão ou, trazendo pra nossos tempos, pra ganhar alguns biscoitos.

Antes de criticar algo, eu sempre tento me desfazer da ideia ou sentimento inicial que aquilo possa ter me causado. Coloco meu manto de pré-conceitos no chão e olho de novo. Penso, repenso, converso comigo mesma. Ué, mas não era eu que uns anos atrás tava pensando, no melhor estilo Marcelo, Marmelo, Martelo: "Por que a gente usa blush só na bochecha? E se eu quiser colocar o blush na testa, bem marcadão, e sair por aí feliz, satisfeita e provocativa?"

Volto pro vídeo, leio os comentários. Comentários são sempre uma espécie de termômetro. Um verdadeiro termômetro do espírito do tempo e, principalmente, sobre o público específico daquele veículo ou publicação. Diz muito sobre como pensam, o que comem, como vivem.

Nesse momento toca o telefone do Além e é o Nelson Rodrigues, que cola na minha orelha e diz: "Toda unanimidade é burra, querida". Putz, é mesmo, né, Nelson? E me volto a mim: Mas e você, amorzinho? Não tem uma opinião, afinal? Você não escreve artigos de opinião? Precisa ter uma opinião. O que achou?

Achei o seguinte: sempre curti movimentos e manifestações não conformistas e provocativos. São eles que fazem a gente mudar, muitas vezes ir pra frente, quebrando paradigmas e conceitos antigos.

Sempre amei ver e estar perto de gente como Vivienne Westwood e Michele Lamy, por exemplo. E, ainda que a maquiagem dessas pessoas seja apenas uma espécie de detalhe em meio àquela profusão de criatividade e conceitos, sempre me impressiona e diz muito. Dá pra sentir as ideologias, teorias e modos de vida, quase como se fossem palpáveis, tá ligada? As lindas chegam e as ideias vêm ao redor, como uma aura pesadona e provocante.

Daí me chega mais essa... "tendência", e fico pensativa. Putz, não seja careta, não critica assim gratuitamente. Mas, mano, no fim das contas, a imagem que vejo ali como produto final é mais uma vez a da maquiagem de bonita, só que com insolação. Todo o resto está correto, alinhado, aperfeiçoado. Seria a coisa toda apenas mais uma manobra para a conquista de biscoitos? Acho bem provável. Talvez eu esteja sendo profundamente careta. Se sim, acho que chegou a hora de eu assumir de uma vez por todas que sou caretona. Será que perdi o frescor no olhar para o novo?

Tem mais um lance que vale a pena mencionar. Vou dar um servicinho, porque acho importante. Quando a gente desvirtua o uso de um produto para outra parte do rosto ou corpo, é importante prestar atenção em possíveis reações alérgicas, já que o produto não foi testado para aquele uso. Eu amo usar lápis de boca ou batom liquido para fazer delineadores, mas é um risco que assumo pra mim, uma vez que os produtos não foram testados oftalmologicamente.

O pigmento vermelho presente na grande estrela dessa nova tendência - o batom vermelho, é um dos pigmentos com maior potencial alergênico. Então, só por isso, já vale a pena se ligar.

"Nossa, gata, vai fazer um pós-doc sobre o assunto. Parece que isso realmente te afetou as ideias". Olha só, na real, eu acredito demais que a observação de manifestações como essas pode ser extremamente reveladoras sobre um grupo de pessoas e sobre um tempo. Então, nem adianta colar aqui com o discurso de eu não ter uma tina de roupa pra lavar ou um assunto mais importante pra abordar em meio a tanto. Poupe-se do trabalho.

O nome da tal tendência é blusher hack. "Hack", pra quem não sabe, seria algo como "macete". Hackear, no mundo das makes da gringolândia, é basicamente alterar, modificar ou mesmo potencializar as possibilidades de uso de algum produto. Ou seja, usar algum macete na aplicação de um produto.

Como essa é uma tendência que nasceu no Tiktok, plataforma amplamente utilizada por millenials, talvez elas só estejam querendo se divertir e mostrar a versatilidade do batom, ou mostrar um experimento divertido... e a tia aqui gastando tutano com toda essa análise. Tá bom, você venceu. Vou ali lavar louça e volto semana que vem.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL