PUBLICIDADE

Topo

Débora Miranda

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Por que a carta da seleção feminina dá aula de humanidade ao time masculino

Faixa apresentada pela seleção feminina, antes do amistoso contra a Rússia - Reprodução
Faixa apresentada pela seleção feminina, antes do amistoso contra a Rússia Imagem: Reprodução
Débora Miranda

Débora Miranda é jornalista e editora do UOL. Neste blog, conta histórias de mulheres no esporte, mostrando como a atividade física pode transformar vidas e o mundo.

Colunista do UOL

11/06/2021 18h02

"Assédio não!", dizia a faixa que as jogadoras do time feminino do Brasil carregaram campo adentro, antes do amistoso contra a Rússia, realizado nesta sexta-feira. Horas antes do jogo, as atletas soltaram um manifesto conjunto falando contra o assédio sexual.

O recado —divulgado nas redes sociais das jogadoras e de dirigentes, como Aline Pellegrino, coordenadora de competições femininas, e Duda Luizelli, coordenadora de seleções femininas— foi dado poucos dias depois do afastamento do presidente da CBF, Rogério Caboclo, acusado justamente de... Assédio sexual.

"Dizer não ao abuso são mais do que palavras, são atitudes. Encorajamos que mulheres e homens denunciem! Nossa luta pelo respeito e igualdade vai além dos gramados. Hoje mais uma vez dizemos: não ao assédio."

Perceba que o recado é claro e transparente. Não tem poréns. Não titubeia. Diz a que veio e transparece a certeza de quem sabe que está do lado certo da batalha. De quem conhece injustiças, viveu uma vida de desigualdade e se indigna de verdade com a violência.

Como tinha que ser.

A treinadora Pia Sundhage também não evitou o assunto, quando questionada em entrevista coletiva à imprensa. "É uma situação séria na qual fomos colocadas. Claro que falamos disso. Você pode ter sua opinião pessoal, mas, sim, conversamos com as atletas, informamos a elas o que estava acontecendo, todas tiveram oportunidade de dar opinião e falar sobre."

Talvez não tenha sido fácil. Não é como se esse time não tivesse nada a perder. Numa estrutura ainda tão movida pelo machismo e pela política, como é a estrutura do futebol, pode ser, sim, muito arriscado se posicionar. As conquistas do futebol feminino estão apenas começando e é sofrido pensar que se posicionar pode significar colocar tudo isso em jogo.

Mas, por outro lado, em que bases queremos que essas conquistas sejam apoiadas? Ao que parece, pelo menos de acordo com o posicionamento das jogadoras, a intenção é que as bases sejam sólidas, de igualdade e respeito a leis e direitos. Há situações em que não cabem meias-palavras. O abuso sexual é uma delas. E para as mulheres que vivem o futebol ele ainda é comum e recorrente.

Tratando de um assunto diferente —mas que deveria igualmente ser olhado como algo essencial à humanidade—, a seleção masculina também foi à público nesta última semana. O tema era a polêmica Copa América.

Todo o mundo sabe que, quando se fala em futebol masculino no Brasil, fala-se em dinheiro. Muito muito muito dinheiro. Fala-se também em interesses de federações, disputas entre canais de TV e em política. E politicagem.

Por isso, quando a seleção masculina divulgou que iria se manifestar publicamente sobre sua insatisfação a respeito da Copa América, tanta gente se surpreendeu. Para além de ser um time formado por pessoas que pouco —ou nada— demonstram publicamente preocupação com o social, ainda tinha todas essas questões estruturais que historicamente fizeram do futebol masculino brasileiro uma modalidade que, em grande parte, preocupa-se em movimentar dinheiro e nada mais.

Mas o país, dominado pela pandemia, com milhares de mortos por dia e ainda baixa vacinação, urrava contra a realização da Copa América em território nacional. E veio a esperança de que, poxa, sim, havia afinal de contas uma preocupação social por baixo daquelas roupas Gucci.

E veio a carta:

"Somos um grupo coeso, porém com ideias distintas." Nada mais normal. Todos temos ideias distintas. Centenas de pessoas que lerão este texto vão me criticar nos comentários abaixo. A democracia preconiza esse direito (desde com respeito e dentro das leis, não é mesmo?). Mas pandemia não tem que ser questão de opinião. É caso gravíssimo de saúde pública e assim tem que ser encarada.

Mas aí fomos surpreendidos novamente, porque eles não falaram de pandemia na nota. Nem de covid. Nem de mortos. Nem de medidas de segurança. nem de protocolos. Na verdade eles não falaram sobre nada.

Citaram uma inadequação no realizar do campeonato, disseram que não queriam tornar a discussão política, que acompanham o que é veiculado na mídia e que estão presentes nas redes sociais. E concluíram dizendo que são contra a realização da Copa América, mas não dirão não à seleção brasileira.

A carta acaba assim mesmo, com esse tom heroico que a gente até imagina a torcida gritando na arquibancada. Mas, quando pensa bem, volta e relê o texto, percebe que aqueles cinco parágrafos não disseram foi nada. A seleção brasileira masculina não questionou nada. Disse que é contra a realização da Copa América, mas não explicou por quê. Falou em inadequação. Qual seria ela?

Incrustada há décadas em um sistema movido primeiro por interesses e nunca pela humanidade, a seleção simplesmente não conseguiu se posicionar. Em entrevistas, jogadores ainda citaram a hierarquia que, segundo eles, precisaria ser respeitada.

Diferentemente da feminina, a seleção masculina não quis colocar NADA em risco. E sem risco, infelizmente, não há transformação. É como diz a carta do time feminino: mais do que palavras, atitudes. Fica a lição.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL