PUBLICIDADE

Topo

Blog Nós

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

O dia em que minha mãe conheceu a Anitta

Cena do clipe de "Envolver", hit de Anitta que chegou ao Top 5 do Spotify Global - Reprodução/YouTube
Cena do clipe de "Envolver", hit de Anitta que chegou ao Top 5 do Spotify Global Imagem: Reprodução/YouTube
Conteúdo exclusivo para assinantes
Brenda Fucuta

Brenda Fucuta é jornalista, escritora e consultora de conteúdo. Autora do livro "Hipnotizados: o que os nossos filhos fazem na internet e o que a internet faz com eles", escreve sobre novas famílias, envelhecimento, identidade de gênero e direitos humanos. Além de entrevistar pessoas incríveis.

Colunista do UOL

04/04/2022 09h47

- Minha filha, acho que não entendo mais este mundo
- Kkk. O que aconteceu, mãe?
- Uma cantora que vi na televisão. Parece que ela ganhou um prêmio, eles disseram, mas não sei qual é. É famosa, mas graças a Deus eu não conhecia.
- Quem, qual o nome dela?
- Ah, não lembro do nome. Começa com A.
- É brasileira?
- Disseram que é, mas canta em outra língua.
- Ah, deve ser a Anitta. Ela gravou uma música em espanhol.
- É essa mesma. Que coisa horrível, minha filha. Como pode?
- Foi a música mais ouvida do mundo...
- Mas aquilo nem é música, é uma coisa... Nossa, não consigo entender como alguém pode chamar aquilo de música.
- Ué, mãe, mas é música. Ela canta, dança, tem ritmo...
- Canta? Isso agora é cantar? Você ouve isso?
- Não, não é meu tipo de música. Mas, para mim, ela é cantora. É uma artista competente, bem-sucedida. Mãe, hoje ela é a maior artista brasileira.
- Pra mim, ela faz tudo, menos cantar. Não sei como tem coragem, é uma pouca vergonha.
- É, a coreografia é abusada. Mas é só uma dança, mãe. Não faz mal para ninguém.
- Não, minha filha, você está se fazendo de boba. Música, para mim, é outra coisa. Fiquei até preocupada que seu irmão aparecesse na sala na hora em que eu estava vendo aquela coisa horrorosa.
- Certeza que ele ia gostar. Kkk.
- Ah... pode até ser. Homem gosta dessas coisas mesmo né? Kkk. Mas não é algo para mostrar na TV. Com que cara eu ia ficar do lado dele?
- Melhor o Especial de Natal do Roberto Carlos, né, mãe?
- Você está rindo de mim...
- Não, estou brincando, mas não rindo de você.
- Fico pensando no seu avô, se ele fosse vivo...
- Vixi, ele ia ranger os dentes. Estou até vendo.
- Coitado. Melhor que não esteja vivo mesmo porque, sinceramente, este mundo está muito virado. Essa Anitta... O que ela está fazendo é sexo, filha. Na TV!
- Mas não era o vô que implicava com o Roberto Carlos? Não chamava ele de prafrentex?
- Prafrentex? Não, nem eu usava essa palavra. Isso era gíria da sua prima mais velha. Mas é verdade, meu pai implicava mesmo com o Roberto Carlos. Do começo. Depois, até que ele foi gostando.
- Aí, então, quem sabe você também vai gostar da Anitta um dia?
- Credo!
- Mãe, lembra daquela letra "os botões da blusa que você usava, e meio confusa desabotoava?"
- Lembro, claro. O que tem a ver?
- E daquela "Eu te proponho te dar meu corpo, depois do amor, o meu conforto...."?
- Linda.
- Não te lembra nada?
- Do que me lembraria?
- Ah, mãe, agora é você que está se fazendo de boba...

Blog Nós