PUBLICIDADE

Topo

Ana Paula Xongani

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

bell hooks e a audácia de uma pedagogia amorosa

a colunista ana paula xongani escreveu o texto da contracapa da edição brasileira do livro "meu crespo é de rainha", de bell hooks: "satisfação imensa" - Arquivo pessoal
a colunista ana paula xongani escreveu o texto da contracapa da edição brasileira do livro "meu crespo é de rainha", de bell hooks: "satisfação imensa" Imagem: Arquivo pessoal
Conteúdo exclusivo para assinantes
Ana Paula Xongani

Ana Paula Xongani é multiempresária: no Ateliê Xongani, de moda afro-brasileira, e também na empresa que leve o seu nome, de criação de conteúdo. Apresenta o programa Se Essa Roupa Fosse Minha, no GNT, sobre moda consciente. Fala com leveza e responsabilidade sobre temas sempre importantes para que todo mundo junto construa um mundo mais justo e acolhedor para todos, especialmente para as mulheres pretas. Ativismo afetivo, como costuma dizer.

Colunista de Universa

16/12/2021 04h00

a coluna de hoje é uma homenagem. bell hooks, autora, professora, teórica feminista e ativista antirracista fez sua passagem na quarta-feira (15), aos 69 anos.

recebo esta notícia com um misto de sentimentos, claro, e o mais forte deles é a emoção de ter tido a oportunidade de ser contemporânea de uma mulher como ela, que se propôs não apenas a estruturar seus saberes, mas também a compartilhar com a gente a sua pedagogia amorosa paulofreiriana, como disse carla akotirene em seu instagram.

de tudo o que acessei e absorvi da obra dela, são duas coisas as que mais me impactam. uma delas é sua relação com a literatura infantil e a outra é a forma como o amor atravessa o fazer literário dela, as escolhas que ela fez para imbricar o amor e o afeto às questões sociais, que são os pilares de tudo o que ela produziu.

fico emocionada com a ideia, a vontade e a realização em torno da literatura infantil, porque a gente, que é ativista, deixa escapar muito o olhar para a beleza das coisas numa perspectiva do encantamento, sabe? então imagino que exercitar a escrita para uma criança é cuidar muito deste lugar.

como meu caminho cruzou com o de bell hooks

foi também neste lugar que nos cruzamos, bell hooks e eu. pra mim, foi uma satisfação imensa ter participado do projeto de lançamento no brasil do livro "happy to be nappy", ou, como chegou aqui, "meu crespo é de rainha" (boitatá, 2018), escrevendo o texto da contracapa. trata-se de um livro lindo e fundamental que exalta, para as crianças, a beleza e pluralidade do cabelo crespo.

ela revelou, em várias entrevistas, que o amor é o "seu tema favorito". ela ia na contramão daqueles que colocam o amor num lugar do "não-racional" e dizia que "o amor é mais do que um sentimento. é uma ação capaz de transformar o niilismo, a ganância e a obsessão pelo poder que dominam a cultura". para ela, amar sempre foi um ato político.

e que importância gigante é a gente ter como uma das referências máximas uma mulher preta debatendo as questões a partir do prisma do amor, do afeto. não tem tamanho a importância disso.

pra mim, termos a possibilidade de testemunharmos a vida de bell hooks e sua passagem deixa um sentimento que não é exatamente uma tristeza. é tipo: "que sorte a nossa!" e "que bom ela ter sido celebrada e reconhecida em vida".

hoje eu tenho certeza de que vim para este mundo com um projeto de liberdade, de conexão de amor. existem lutas e lutas e eu não desqualifico nenhuma. mas a minha é amorosa, feita de ativismo afetivo. e, certamente, bell hooks é uma grande inspiração nesse sentido.

que nós, que seguimos por aqui, saibamos honrar a vida desta mulher.

ps: esse texto foi todo escrito em letras minúsculas em homenagem a bell hooks (pseudônimo de gloria jean watkins), que assinava seu nome dessa forma.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL