PUBLICIDADE

Topo

Ana Paula Xongani

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

'Novembro negro': festivais, shows e prêmios celebraram nossa potência

"O que eu percebi? Que este ano tivemos um notório crescimento de eventos em comemoração ao novembro negro"  - Soraia Carvalho/UOL
'O que eu percebi? Que este ano tivemos um notório crescimento de eventos em comemoração ao novembro negro' Imagem: Soraia Carvalho/UOL
Conteúdo exclusivo para assinantes
Ana Paula Xongani

Ana Paula Xongani é multiempresária: no Ateliê Xongani, de moda afro-brasileira, e também na empresa que leve o seu nome, de criação de conteúdo. Apresenta o programa Se Essa Roupa Fosse Minha, no GNT, sobre moda consciente. Fala com leveza e responsabilidade sobre temas sempre importantes para que todo mundo junto construa um mundo mais justo e acolhedor para todos, especialmente para as mulheres pretas. Ativismo afetivo, como costuma dizer.

Colunista do UOL

03/12/2021 04h00

Vamos falar desse novembro que passou? Depois de um ano do caso George Floyd, os reflexos chegaram ao "novembro negro". Eu acho que a gente não sabia muito como seria este mês neste ano de 2021. Em razão das medidas sanitárias de controle e combate ao covid-19, o nosso feriado foi super adiantado, mas eu tinha esperança de que a força do Mês da Consciência Negra, do Dia de Zumbi dos Palmares e da referência à Dandara, é maior do que qualquer data no calendário.

O que eu percebi? Que este ano tivemos um notório crescimento de eventos em comemoração ao novembro negro. Vimos eventos muito bonitos e fundamentados, como o Festival Feira Preta, que é o maior evento de empreendedorismo e cultura negra da América Latina. Este ano a feira celebra 20 anos em uma edição digital que, por isso, consegue chegar a um montão de gente. Aliás, ainda tá rolando e eu apresentei alguns conteúdos em parceria com o Facebook: shows, bate-papos, aquelas entrevistas e host que eu amo fazer.

Além disso, rolou a Expo Consciência Negra, realizada pela Prefeitura de São Paulo e que foi enorme. Teve a segunda edição do YouTube Black, que mais uma vez tive a honra de apresentar e foi incrível, uma celebração aos criadores negros; o AfroPunk, que rolou em Salvador, mas foi transmitido em vários lugares e, aqui em São Paulo, teve o Espaço Utomi como seu espaço oficial. O Brasil, inclusive, já merecia há bastante tempo estar na rota deste evento que é global. Fiquei muito feliz de participar de alguma forma.

Teve também o Prêmio Potências, que eu achei incrível porque é muito importante sermos premiados pelos nossos. Tivemos muitas ocupações artísticas também e, claro, a reabertura da Aparelha Luzia, quilombo urbano artístico e cultural extremamente relevante para a galera preta, especialmente aqui da capital paulista. O espaço reabriu no dia do aniversário da Érica Malunguinho, uma pessoa importantíssima pra gente, que já tem vários marcos na história política de São Paulo e do Brasil.

Ainda foi o mês de lançamento do livro "Marchas das Mulheres Negras" e o aniversário do Ateliê Xongani.

Agenda cheia e trabalho para negros

Pra mim, é motivo de comemoração a gente ter tantas coisas potentes pra registrar e contribuir com a nossa construção de imaginário, de referência, com o presente e com o futuro das belezas, das potências, das realizações da negritude. Penso que, quanto mais eventos a gente tiver, mais registros a gente vai ter e mais pessoas serão impactadas com memórias importantes dessa data. Então é tudo muito positivo.

Como consumidora e participante desses eventos, fiquei muito feliz de ter a agenda cheia. Além disso, tantas realizações significam mais mercado de trabalho para a gente - e quem é preto sabe o quanto a gente espera este mês para fortalecer nossos corres.

Como foi um mês bonito de ver, este texto é para registrar todas estas histórias de excelência preta que nos fortalecem para caminhar por mais um ano. Fica também como referência para você que não conhece, se informar sobre tudo o que andamos produzindo por aí.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL